Itália muda regra de governança de bancos

Instituições afetadas pela mudança terão 18 meses para fazer ajustes em seus estatutos e se transformarem em empresas nas quais os direitos de voto são baseados no tamanho da participação de cada acionista

Agência Estado

20 de janeiro de 2015 | 17h54

O governo da Itália emitiu um decreto que vai mudar radicalmente as regras de governança dos maiores bancos cooperativos do país e pode facilitar uma bastante esperada consolidação no setor.

A regra modificada foi estabelecida no início da década de 1990 e dita que os acionistas de bancos cooperativos têm direito a um voto independentemente do tamanho da fatia que possuem no banco. As instituições afetadas pela mudança terão 18 meses para fazer ajustes em seus estatutos e se transformarem em empresas nas quais os direitos de voto são baseados no tamanho da participação de cada acionista.

O decreto emitido hoje vai ser aplicado apenas a bancos cooperativos com pelo menos 8 bilhões de euros em ativos, que somam cerca de 10, afirmou o primeiro-ministro, Matteo Renzi, em entrevista à imprensa.

A mudança provavelmente vai realimentar um debate sobre consolidação do setor, que precisa de retornos mais altos e de economias de escala, o que encoraja fusões. Segundo análise do Mediobanca Securities, o número de bancos italianos vem diminuindo nos últimos anos, mas ainda é alto.

Nesse contexto, devem ressurgir especulações sobre uma potencial fusão entre o UBI Banca e o Banca Monte dei Paschi di Siena. / Com informações da Dow Jones Newswires

 

Tudo o que sabemos sobre:
governança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.