Estadão
Estadão

Legisladores dos EUA vão analisar onda de fusões no setor agrícola

Parlamentares dizem que operações podem reduzir a concorrência e resultar em preços mais altos para produtores, num momento em que a renda agrícola deve atingir o menor nível em mais de uma década

Dow Jones Newswires

23 de agosto de 2016 | 19h16

CHICAGO - Legisladores nos EUA pretendem realizar uma audiência para examinar a onda de fusões no mercado global de sementes e defensivos. O senador republicano Charles Grassley, de Iowa, presidente da Comissão Judiciária do Senado, disse que os negócios entre os maiores players do setor podem reduzir a concorrência e resultar em preços mais altos para produtores, num momento em que a renda agrícola deve atingir o menor nível em mais de uma década.

"Na maioria dos casos, quando você tem menos concorrência, os preços sobem, e os consumidores pagam mais", disse Grassley em entrevista. "No caso da agricultura, produtores são tanto consumidores (de sementes e defensivos) quanto vendedores."

Ontem, a Comissão sobre Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos (Cfius, na sigla em inglês) aprovou a aquisição da suíça Syngenta pela estatal chinesa ChemChina, um negócio avaliado em US$ 43 bilhões. A Syngenta, uma das maiores empresas de pesticidas e sementes, gera cerca de 25% de sua receita na América do Norte.

DuPont e Dow Chemical, que possuem grandes divisões de agroquímicos e sementes, pretendem concluir sua fusão até o fim deste ano. A companhia combinada, DowDuPont, será posteriormente dividida em três empresas distintas, com foco em agricultura, materiais industriais e produtos especiais. 

A gigante alemã Bayer, que também produz sementes e pesticidas, vem tentando desde maio chegar a um acordo para adquirir a Monsanto, maior fornecedora mundial de sementes. Embora a Monsanto tenha rejeitado as propostas da Bayer, as companhias continuam mantendo discussões para um possível negócio.

Segundo Grassley, a audiência, que deve ocorrer em setembro, terá como objetivo garantir que os órgãos antitruste do Departamento de Justiça e da Comissão Federal de Comércio analisem cuidadosamente essas propostas de fusão. A audiência deve incluir o ponto de vista das companhias de sementes, e a comissão também vai analisar o possível impacto dessas operações sobre os consumidores, disse o senador. 

Grassley é um dos legisladores que pediram em março uma avaliação mais detalhada da fusão entre ChemChina e Syngenta, citando preocupações com a segurança alimentar. 

Na segunda-feira, a senadora democrata Debbie Stabenow reiterou o pedido para que o Departamento de Agricultura (USDA) e a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) tenham um papel permanente na Cfius. "A segurança alimentar é crítica para a segurança nacional e deve ser levada em consideração durante o processo de avaliação da Cfius", disse.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.