Márcio Zimmerman renuncia ao conselho da Petrobrás

Cadeira do secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia será ocupada pelo advogado Luiz Navarro

Estadão Conteúdo

27 Fevereiro 2015 | 11h49

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, renunciou à cadeira ocupada no conselho de administração da Petrobrás. A estatal comunicou ao mercado a decisão do executivo nesta sexta-feira, 27, e informou que em seu lugar ficará o advogado Luiz Navarro. A decisão foi tomada pelo colegiado durante reunião também nesta sexta-feira, que se estendeu por cinco horas.

Consultor-sênior da Veirano Advogados, Navarro foi da Controladoria Geral da União (CGU) por mais de 10 anos, atuando como secretário executivo e corregedor. O especialista participou do processo de formulação da Lei Anticorrupção, que entrou em vigor no ano passado.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não vai integrar o Conselho de Administração da Petrobrás, como já deixou claro em entrevista ao Broadcast, da Agência Estado, no último dia 23. Na entrevista, ao ser questionado sobre os motivos para não integrar o conselho como o seu antecessor, Guido Mantega, Levy defendeu um conselho composto por pessoas experientes, "evidentemente afinadas com o acionista majoritário, mas com autonomia e podendo dedicar muito tempo à empresa". Segundo ele, esse é modelo mais adequado.

"A escolha do Conselho vai dar um sinal fundamental sobre os objetivos do governo, enquanto custodiante dos interesses do acionista majoritário, e sua capacidade de harmonizar institucionalmente eventuais estratégias de Estado com o bom funcionamento de empresas de capital misto, inclusive em outros setores", disse o ministro.

BNDES.
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, foi nomeado nesta sexta-feira, 27, para exercer a função de membro do Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O decreto está publicado no Diário Oficial da União. Em outro ato, a presidência da República também decidiu tornar sem efeito o decreto anterior, publicado em 9 de janeiro, que nomeava o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto, para integrar o conselho do BNDES.

Em outros atos publicados também hoje o governo exonera, a pedido, o ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, da função de membro do conselho de administração do BNDES e nomeia o secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ivan Ramalho, para a função.

Mais conteúdo sobre:
BNDESJoaquim Levy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.