Fabio Motta/ Estadão
Fabio Motta/ Estadão

Mercados precisam evoluir para desenvolver classificação para agenda ESG, diz presidente da CVM

Barbosa explicou que a criação de um sistema de classificação de práticas sustentáveis é fundamental para que o mercado consiga compreender o que está sendo divulgado por cada companhia

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2020 | 10h29

RIO - Os mercados precisam evoluir para desenvolver uma taxonomia referente às questões ambientais, sociais e de governança (ESG), afirmou há pouco o presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Marcelo Barbosa. O advogado destacou que os reguladores de mercados desenvolvidos estão levando muito a sério essa agenda em busca de competitividade e para evitar o chamado greenwashing, prática de investimentos em ações socioambientais apenas com fins reputacionais, sem compromisso com impactos mensuráveis.

"Não é mais moda, veio para ficar", disse em live promovida pelo Valor Econômico. Barbosa explicou que a criação de uma taxonomia (sistema de classificação) de práticas sustentáveis é fundamental para que o mercado consiga compreender o que está sendo divulgado por cada companhia, isto é, saber como os emissores de valores mobiliários estão lidando com os riscos associados à sustentabilidade ambiental, incluindo mudanças climáticas.

Na semana passada, Barbosa citou a revisão das regras regulatórias sobre os fundos de investimento em direitos creditórios (FIDCs) e da instrução normativa 480, que trata das informações que devem ser obrigatoriamente divulgadas pelos emissores de valores mobiliários, como ações da CVM no sentido de incorporar questões ambientais na regulação.

O presidente da CVM disse ainda, em evento do BNDES, que na minuta com proposta de revisão na regulação dos FIDCs, ainda a ser colocada em audiência pública, a CVM incluirá a criação de uma categoria, ou algo semelhante, a um "FIDC socioambiental", para fundos que tenham "na política de originação" um foco em benefícios socioambientais. O objetivo é "chamar atenção para o produto", informando corretamente os agentes de mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.