Fabio Motta/Estadão - 11/4/2014
Fabio Motta/Estadão - 11/4/2014

Moro sugere que qualidade de vida de executivos da Petrobrás seja controlada

Além disso, juiz também indicou que a Petrobrás ofereça dinheiro aos empregados em troca de denúncias de corrupção

Denise Luna e Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2017 | 13h40

Juiz de primeira instância da Operação Lava Jato, Sérgio Moro fez sugestões à diretoria da Petrobrás de práticas que devem ser adotadas para evitar que a corrupção tome conta da empresa novamente. Ele participou do 4º Evento Petrobrás em Compliance na sede da empresa, no centro do Rio de Janeiro.

Entre as sugestões estão o controle dos patrimônios dos diretores e conselheiros, "não só no papel". A ideia proposta pelo juiz é que uma equipe de sindicância interna acompanhe o modo de vida e a moradia dos executivos, por exemplo. Moro ainda sugeriu que a Petrobrás ofereça dinheiro aos empregados em troca de denúncias de corrupção. 

"Talvez fosse o caso de pensar em incentivos à atuação dos denunciantes, inclusive compensação financeira, desde que apresentada informação verdadeira, relevante, que através dela seja desbaratado esquema de corrupção. Ninguém deve enriquecer com isso, mas o incentivo deve ser oferecido para tirar as pessoas da zona de conforto", afirmou. 

++ Petrobrás entrará no nível 2 da B3 em até 20 dias

Em resposta, o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, disse que estudará a melhor forma de tirar os denunciantes da zona de conforto e que buscará fazer um trabalho de inteligência para buscar possíveis enriquecimentos ilícitos de executivos.  

"E vamos fazer um acompanhamento por palavras-chave e em tempo real dos emails dos empregados. Não é desprovido de uma certa polêmica. Isso pode dar uma ideia que ainda há um problema grande na empresa. Não é isso. É preventivo", acrescentou Parente, respondendo à terceira proposta de Moro, para que todos os temas de negócio sejam tratados exclusivamente por meio das ferramentas corporativas de correspondência. 

Em palestra durante o evento, Moro ainda criticou o loteamento político da diretoria, que identificou como a "corrupção sistêmica" que tomou conta da Petrobrás durante anos. Em sua opinião, o atual presidente da companhia, Pedro Parente, possui um currículo reconhecido, mas nada garante que o loteamento político da empresa não voltará a ocorrer. 

++ Petrobrás é certificada em programa de governança da Bolsa

"Há dúvida, até quando isso vai durar. Não existe sistema de compliance (governança corporativa) que funcione de forma efetiva se a liderança não estiver comprometida. O peixe começa a apodrecer pela cabeça", disse Moro. "Não sou especialista em compliance. Um juiz criminal cuida do aspecto patológico da corrupção. Mas é difícil para o sistema de compliance, muitas vezes, identificar os crimes", afirmou.

Moro não citou nomes, mas destacou que, na Petrobrás, um diretor substituiu outro porque o primeiro não conseguiu dar conta do recolhimento de propina exigido pelo partido. Embora os diretores não tenham sido identificados, os dois únicos condenados que viveram essa situação de revezamento de cargo foram Nestor Cerveró e Jorge Zelada, ex-diretores da área Internacional. 

Para o juiz, a Lei das Estatais contribui para coibir a corrupção nas empresas públicas, mas, em sua opinião, as mesmas exigências impostas às empresas devem ser estendidas à administração pública direta, ou seja, ao Executivo e ao Legislativo. 

Mais conteúdo sobre:
Governança Corporativa Petrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.