Paulo Vitor/Estadão
Paulo Vitor/Estadão

Remuneração aprovada para executivos pode enquadrar Oi em plano de supervisão da CVM

Operadora, que está há quase dois anos em recuperação judicial, aprovou remuneração de R$ 74 milhões para seus executivos

Renata Batista, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2018 | 20h09

A possibilidade de falta de consistência entre as condições financeiras e patrimoniais da Oi e a remuneração dos administradores fixada na última Assembleia Geral Ordinária (AGO) pode levar a companhia a ser questionada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A operadora de telefonia está há quase dois anos em recuperação judicial, mas aprovou uma remuneração de R$ 74 milhões para os executivos em assembleia realizada na segunda-feira, 30.

+ Governo abre processo contra Oi Móvel por infrações ao consumidor

A “verificação da coerência e a consistência entre as divulgações feitas nas seções 10 (Comentários dos Diretores sobre as condições financeiras e patrimoniais da companhia) e 13 (Remuneração dos Administradores) do Formulário de Referência” é uma das quatro prioridades de supervisão do evento de risco nº2 do Plano de Supervisão Baseada em Risco (SBR) para o biênio 2017-2018 da CVM.

Esse evento trata da “não divulgação adequada, pelas companhias, seus administradores ou acionistas, de informações úteis, capazes de afetar as decisões de investimento e o exercício de direitos por parte dos acionistas minoritários”.

+ Oi lançará sinal de 4,5G em 26 cidades de Norte e Nordeste até fim do ano

Procurada, a CVM não informou se enviou qualquer questionamento por meio de ofício ou se instaurou processo administrativo para apurar possíveis irregularidades na remuneração dos executivos. Na AGO, porém, BNDESPar e por outros acionistas minoritários questionaram a proposta de destinação de R$ 74,6 milhões aos executivos.

+ Oi registra prejuízo de R$ 6,6 bilhões em 2017

Desse total, R$ 35,4 milhões correspondem a remuneração fixa, bônus executivo, incentivos de longo prazo, retenção executiva, benefícios e encargos sociais para o ano de 2018. Outros R$ 39,2 milhões estão vinculados ao êxito da Recuperação Judicial da companhia e as indenizações referentes a rescisões contratuais e non compete do ex-diretor presidente Marcos Schoereder e do ex-diretor-financeiro e de relações com investidores Ricardo Malavasi, que deixaram a empresa no segundo semestre do ano passado. A Oi não divulga a remuneração individual dos executivos. Então, não é possível saber qual parcela caberá a cada executivo.

+ Oi paga R$ 51 milhões em etapa do plano de recuperação judicial O plano de supervisão baseada em risco da CVM considera como determinantes para a manifestação da autarquia a probabilidade do evento e o potencial de dano ao mercado. No biênio 2017-2018, a autarquia informa que “serão selecionados, preferencialmente, 12 formulários de referência de companhias que não tenham apresentado lucro em balanço no exercício anterior ou que tenham deixado de pagar o dividendo mínimo obrigatório”. A seleção das 12 companhias será feita de acordo com critérios estabelecidos pela Superintendência de Relações com Empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.