Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Seguro de carro pode ficar mais barato com novas regras que passam a valer em setembro

Seguradoras terão mais liberdade para criar e oferecer formas novas de seguros de veículos; com a decisão, a Susep espera popularizar a modalidade

Bruno Villas Bôas, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2021 | 06h00
Atualizado 13 de agosto de 2021 | 12h26

RIO - Um seguro de automóvel com cobertura de furto, mas sem cobertura contra colisão. Ou um seguro de motocicleta que cobre 50% do valor do veículo. A partir de 1.º de setembro, as seguradoras terão mais liberdade para criar e oferecer formas novas – e mais baratas – de seguros de veículos. Será possível, inclusive, contratar o seguro auto sem nem mesmo ser proprietário de um automóvel.

Publicadas nesta sexta-feira, 13, pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), as regras que flexibilizam e simplificam o seguro de automóvel esperam torná-lo mais popular. Da frota total de veículos do País, apenas 16% tinham cobertura de seguro em 2019. Esse porcentual cresce para 33% se considerados apenas veículos com até dez anos de fabricação. Para a Susep, é possível melhorar esses indicadores oferecendo mais liberdade contratual, diversificação e melhores preços.

“Vamos permitir, com as novas regras e critérios, que uma diversificação efetiva de produtos apareça. Se alguém quiser fazer seguro só da metade do carro, por que não permitir isso? É melhor do que não ter um seguro”, explica Rafael Scherre, diretor da Susep

Entre as mudanças previstas, está a possibilidade de que o seguro seja contratado mesmo sem identificação exata do veículo, o que já existe em outros países. O diretor detalha que isso facilitará, por exemplo, o acesso ao seguro por motoristas de aplicativos e condutores que compartilham veículos, usam carros por assinatura ou alugados nos fins de semana. Não precisa ser dono do carro, basta apontar o valor desejado do seguro e referências sobre o tipo de veículo.

A Susep também mudará regras que, segundo a entidade, podem baratear os seguros. As seguradoras passam a ter a possibilidade de cobrar franquia em casos de indenização integral ou por incêndio, queda de raio e explosão, o que era proibido. Também passam a poder exigir no contrato que os reparos sejam feitos exclusivamente em oficinas da rede credenciada. “O segurado passa a participar do risco, o que pode torná-lo mais diligente”, diz.

Veja as principais mudanças no seguro de automóveis

  • Cobertura de casco (lataria, mecânica, vidro, elétrica etc.) pode ser feita para um ou vários diferentes tipos de riscos escolhidos (furto, roubo, colisão, incêndios);
  • O seguro do automóvel pode ser contratado em "combos" com outros tipos de seguro, como residencial e empresarial;
  • Seguro auto poderá ser contratado sem a identificação exata do veículo segurado, permitindo seu uso em veículos alugados, compartilhados, carros por assinatura;
  • Passa a ser permitida a cobertura parcial do veículo, acabando com a obrigatoriedade da cobertura total;
  • Seguradoras poderão prever reparo do veículo exclusivamente em oficina de rede referenciada da seguradora;
  • Seguradoras poderão cobrar franquia em casos de indenização integral ou por incêndio, queda de raio e explosão, o que antes era proibido.
Tudo o que sabemos sobre:
Susepseguro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.