Daniel Teixeira/Estadão - 8/4/2020
Daniel Teixeira/Estadão - 8/4/2020

Tendência global, trabalho remoto requer planejamento e investimentos das empresas

Levantamento da PwC feito em 31 países mostra que regime de trabalho a distância está nos planos de grande parte das companhias; especialista orienta o que é importante na implementação do modelo

Heloísa Scognamiglio, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2020 | 15h36

Por causa da pandemia do novo coronavírus, muitas empresas recorreram ao home office para manter seus processos de modo seguro. E o regime de trabalho a distância parece ter vindo para ficar. É o que mostra a pesquisa global The Future of Remote Work 2020 (O Futuro do Trabalho Remoto 2020, em tradução livre), realizada pela empresa de consultoria e auditoria PwC e obtida com exclusividade pelo Estadão

No levantamento, 53% das empresas afirmaram que têm políticas de trabalho remoto. Das que ainda não têm, 55% planejam a implementação no futuro próximo - 27% afirmaram que o plano era implementá-las nos três meses seguintes à realização da pesquisa; 28%, até o fim de 2020; 18%, do início até a metade de 2021; e 28% responderam "outro", indicando ainda não haver uma decisão sobre a implementação.

A pesquisa foi realizada entre os dias 23 de julho e 3 de agosto deste ano, com mais de 300 companhias de 31 países, incluindo o Brasil.

Para Tatiana Fernandes, sócia da PwC Brasil e líder de recursos humanos, a adoção do home office durante a pandemia acabou fazendo com que as pessoas aceitassem melhor a ideia de trabalhar remotamente. “Se pensarmos nos tempos de antes da pandemia, muitos tinham até uma dúvida em relação ao home office. Essa incerteza deixou de existir e a grande maioria já olha para o home office como algo muito positivo”, afirma.

“A desconfiança em relação à produtividade, de que a produtividade cairia... O que percebemos é que isso não acontece, que é possível trabalhar a distância. Passado o primeiro momento, entendemos que o trabalho remoto é benéfico e veio para ficar”, completa Tatiana.

Segundo a especialista, o home office pode trazer algumas vantagens aos funcionários. “Ele auxilia no bem-estar dos profissionais e traz qualidade de vida. Em relação ao deslocamento, por exemplo, aquela uma hora e meia do seu tempo para chegar até o trabalho poderia ser usada para outras coisas, como exercícios físicos, cursos ou hobbies, coisas nas quais você pode investir para o seu bem-estar”, opina.

“Se tenho minha sede em São Paulo, com o trabalho remoto eu não preciso dos funcionários fisicamente aqui e eles podem até escolher morar em outros lugares onde a qualidade de vida seja melhor”, acrescenta a líder de RH.

Com a rapidez exigida pela evolução tecnológica, as empresas demandam mais do funcionário, o que acaba diminuindo o tempo que ele tem para investir no próprio bem-estar. “O trabalho remoto possibilita que as pessoas voltem a ter consciência sobre isso e dá a oportunidade para que elas tenham qualidade de vida de fato.” Tatiana afirma que tudo isso ainda possibilita uma maior eficácia ao atrair e reter talentos.

As vantagens citadas por ela aparecem no levantamento: quando questionadas sobre quais eram suas prioridades ao permitirem o trabalho remoto, as principais respostas das companhias foram proteger a saúde e a segurança dos funcionários (70%), melhorar a experiência do funcionário (65%) e atrair e reter talentos-chave (60%).

Outra questão analisada pela pesquisa foi a exigência das empresas em relação à presença dos trabalhadores remotos em um escritório. A maioria das companhias (67%) prevê que esses funcionários tenham acesso a um escritório, sendo que 46% não exigem que eles compareçam ao local e 22% exigem essa presença, caracterizando um modelo híbrido de trabalho presencial e home office. Outros 20% das empresas preveem que os funcionários remotos não precisem ter acesso a um escritório.

A sócia da PwC Brasil aposta no modelo híbrido no pós-pandemia. "O trabalho remoto veio para ficar, mas a necessidade de se relacionar é inerente ao ser humano. Por isso, nós teremos o home office e também a presença no escritório, em um modelo híbrido. Talvez com a ida ao escritório apenas uma ou duas vezes por semana, não sendo necessário morar do lado do trabalho."

Estar no escritório também é importante para estar próximo aos colegas, trocar experiências e vivenciar a cultura da empresa. “Para o profissional se identificar com a companhia, ele precisa se identificar com a cultura, o propósito, os valores da companhia. E isso tudo está vinculado ao relacionamento também”, explica.

A implementação do trabalho remoto envolve muito planejamento estratégico e organização dos gestores, para que o fluxo de processos não seja prejudicado, e também envolve investimentos por parte das companhias, para garantir que os funcionários tenham condição de trabalhar distantes do escritório. A líder de RH indica alguns pontos importantes para essa implementação.

Dicas para a implementação do trabalho remoto nas empresas

Planeje e organize

O planejamento e a organização são imprescindíveis para a implementação de todo e qualquer tipo de projeto em uma empresa, especialmente quando ele diz respeito a uma mudança tão grande no modo de trabalho.

“A primeira coisa é ter uma política para trabalho remoto que seja bem organizada”, destaca Tatiana. A dinâmica da empresa em relação ao trabalho remoto e o modo como vai funcionar a comunicação entre os funcionários devem estar claramente estabelecidos para que todos estejam na mesma página e consigam efetivamente realizar as suas funções.

Invista em estrutura

A empresa deve garantir que os funcionários tenham as ferramentas para que consigam trabalhar remotamente. “O profissional precisa ter a estrutura para que possa exercer seu trabalho remoto com o fator de bem-estar presente.”

Para isso, são necessários investimentos nos equipamentos que os trabalhadores remotos usarão e também na tecnologia para a segurança da informação, para que o acesso remoto a ambientes corporativos seja seguro. Também pode ser interessante investir em ferramentas que possibilitem a realização do trabalho remoto, como as de videochamadas, as de compartilhamento de arquivos e as de gestão de equipes.

Prepare os funcionários

Os profissionais que trabalharem remotamente deverão entender os equipamentos e ferramentas que usarão. Outro ponto é a etiqueta do trabalho online: o comportamento no trabalho remoto deve seguir o comportamento do escritório, principalmente em reuniões.

O maior desafio, segundo Tatiana, é separar a vida profissional da pessoal, já que, no home office, elas estão “misturadas”. “Nós levamos o escritório para dentro de casa. Agora você tem a sua casa e o seu escritório no mesmo ambiente. É preciso separar um pouco as coisas, buscando o equilíbrio”, recomenda a especialista.

“Quando há o modelo híbrido, conseguimos equilibrar um pouco, pois passar uma parcela do tempo no escritório ajuda o funcionário a segregar trabalho e vida pessoal”, conclui. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.