Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Vale cria comitê de nomeação coordenado por Pedro Parente

Comitê irá propor melhorias relacionadas à estrutura e composição do conselho de administração da companhia

Daniele Madureira, especial para o Estadão

23 de julho de 2020 | 10h03

A mineradora Vale anunciou nesta quarta-feira, 22, a criação do Comitê de Nomeação, que terá a missão de assessorar o conselho de administração da companhia. Segundo a Vale, o Comitê irá propor melhorias relacionadas à estrutura, tamanho e composição do conselho, além de recomendar as competências, perfis e potenciais candidatos ao colegiado.

O Comitê de Nomeação será composto por três membros, um deles obrigatoriamente o presidente do conselho de administração. Os demais devem ser independentes. Nesta primeira composição, está Pedro Parente como coordenador, posto que é escolhido pelo conselho de administração. Atual presidente do conselho da BRF, Parente foi presidente da Petrobrás, da RBS, do grupo Bunge, além de ministro de três diferentes Pastas - Casa Civil, Planejamento e Minas e Energia, todas no governo Fernando Henrique Cardoso.

O outro membro do Comitê de Nomeação da Vale é Alexandre Gonçalves Silva, atual presidente do conselho da Embraer. Também tem assento nos colegiados da Ultrapar, Votorantim Cimentos, Nitroquímica e Iochpe-Maxion.

"A criação do Comitê de Nomeação foi um compromisso assumido pela Vale em seu Manual para Assembleia 2020 e faz parte da transição pela qual a Companhia está passando, com o atual Acordo de Acionistas expirando em novembro de 2020, sem renovação", diz a empresa, em comunicado. "O Conselho de Administração está conduzindo essa transição de maneira ordenada e equilibrada, seguindo com o processo de evolução do modelo de governança, para adaptá-lo às novas exigências do Regulamento do Novo Mercado, demandas de investidores e às boas práticas internacionais", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.