EUA podem aprender com sucesso econômico da China, diz Bernanke

Em ocasiões anteriores, o presidente do BC americano costumava acusar o país de depender excessivamente das exportações e de correr o risco desuperaquecimento da economia

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

28 de setembro de 2011 | 18h34

Os EUA podem aprender com a história de sucesso econômico da China e de outros países emergentes, afirmou o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, durante um discurso num evento sobre "Ideias para o Amanhã" na cidade norte-americana de Cleveland.

Segundo ele, as políticas de disciplina fiscal, os benefícios do comércio internacional e a necessidade de estimular a formação de capital privado são alguns dos motivos que explicam as altas taxas de crescimento econômico observadas na China, na Índia e em outras economias em desenvolvimento. O incentivo a avanços tecnológicos e à educação também estavam entre os fatores essenciais para o desempenho superior dessas nações em comparação aos EUA.

"Economias avançadas, como a dos EUA, fariam bem em reaprender algumas lições com as economias de mercados emergentes", disse Bernanke.

Em ocasiões anteriores, quando falou sobre a China, Bernanke em geral criticou o país, acusando-o de depender excessivamente das exportações para garantir crescimento econômico e de correr o risco de superaquecimento por manter a taxa de câmbio artificialmente baixa. Hoje, ele repetiu o alerta de que tanto os chineses quanto os demais emergentes podem enfrentar problemas se continuarem dependendo do comércio internacional para crescer, mas também destacou os motivos por trás do sucesso dessas nações.

O presidente do Fed disse que uma importante lição é ter consciência do papel fundamental da tecnologia no desenvolvimento econômico. Segundo Bernanke, sistemas educacionais sólidos produzindo trabalhadores cada vez mais qualificados foram cruciais para o avanço tecnológico dos países emergentes.

Ele citou a indústria de tecnologia da informação da Índia como exemplo, afirmando que o setor prosperou no país em boa parte por causa da ampla oferta de profissionais qualificados e com domínio da língua inglesa. Bernanke lembrou ainda que "incentivar níveis básicos de alfabetização também é crítico".

A autoridade apontou programas de países como México e Brasil que preveem auxílio financeiro a famílias pobres desde que as crianças frequentem a escola regularmente e recebam tratamento médico básico. Dados mostram que esse tipo de ação aumenta a qualidade da força de trabalho e ao mesmo tempo cumpre metas sociais, reduzindo a desigualdade de renda, afirmou o presidente do Fed.

Bernanke disse que a China e outras economias emergentes provavelmente conseguirão manter taxas de crescimento elevadas pelos próximos anos, aproximando-se do grau de desenvolvimento das economias avançadas. Ao longo do tempo, porém, conforme ficarem mais ricos, esses países perderão algumas vantagens.

Durante o discurso, ele não comentou sobre a última decisão de política monetária do Federal Reserve. Bernanke ainda deve responder a perguntas da plateia. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bernankeeuachinaemergentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.