À espera do Fed, dólar sobe ante principais rivais

O dólar avançou ante a maioria dos seus principais rivais nesta segunda-feira, 29, à medida que os investidores se preparam para a reunião do Federal Reserve (Fed), que começa terça e termina na quarta-feira. Não se espera que o banco central dos Estados Unidos adote mudanças na política monetária, mas os participantes do mercado preferiram adotar uma postura defensiva.

Agencia Estado

29 de julho de 2013 | 18h29

No fim da tarde em Nova York, o euro caía para US$ 1,3263, de US$ 1,3279 no fim da tarde de sexta-feira. O dólar recuava para 97,95 ienes, de 98,20 ienes na sexta-feira; a moeda comum europeia recuava para 129,94 ienes, de 130,34 ienes. A libra esterlina caía para US$ 1,5354, de US$ 1,5379. O dólar subia para 0,9310 franco suíço, de 0,9289 franco suíço. O índice Wall Street Journal Dollar Index, que pesa a moeda norte-americana ante uma cesta de rivais, tinha alta para 73,908 pontos, de 73,851 pontos.

Para Alvise Marino, estrategista de câmbio do Credit Suisse, a expectativa é de que o Fed torne mais clara sua estratégia para a redução dos estímulos na reunião desta semana, apesar de não adotar qualquer ação concreta. "Todo mundo está em modo de espera no momento", afirmou.

Além da decisão do Fed, na quarta-feira, 31, o Departamento do Trabalho divulga a primeira leitura do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre e, na sexta-feira, 02, o governo revela o número de vagas criadas na economia em julho. "Os investidores não querem fazer grandes apostas no mercado de câmbio antes de todos esses eventos", declarou Ankit Sahni, estrategista de câmbio da Nomura.

Entre os indicadores divulgados mais cedo, o índice de atividade industrial do Meio-oeste, elaborado pelo Fed de Chicago, subiu 0,4% em junho ante maio, para 96,0 pontos. O índice de atividade das empresas medido pelo Fed de Dallas caiu para 4,4 em julho, de 6,5 em junho. E a Associação Nacional dos Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês) divulgou que o índice de vendas pendentes recuou para 110,9 em junho. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
moedas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.