Ação da Vale avança após anúncio de compra da AMCI

As ações da Companhia Vale do Rio Doce sobem após a empresa anunciar hoje a compra de 100% da AMCI Holdings Australia Pty, por 835 milhões de dólares australianos - equivalente a aproximadamente US$ 660 milhões. A AMCI é uma empresa privada com sede em Brisbane, no estado de Queensland, que opera e controla ativos de carvão por meio de investimentos em joint ventures (parcerias). Às 12h34, os papéis preferenciais classe A (PNA) subiam 0,92% e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em +0,37%. Analistas e operadores ainda avaliam o negócio. Normalmente, aquisições puxam ações das companhias compradoras para baixo, já que a transação significa desembolso de caixa e/ou endividamento num primeiro momento. No entanto, profissionais do mercado lembram que o desembolso pela australiana tem dimensão restrita para uma empresa como a Vale do Rio Doce. A mineradora vai desembolsar apenas US$ 660 milhões no negócio. Os especialistas recordam que, no primeiro lance de compra da Inco, em 23 de outubro do ano passado, a Vale pagou US$ 13,3 bilhões por uma fatia de 75,6% na companhia. Comprou as partes restantes em operações seguintes. Os analistas também comentam que é mais difícil analisar a transação com a australiana nesse momento, já que a AMCI tem capital fechado. Há comentários sobre um pagamento relativamente alto pela companhia. Jas os papéis da Telemar bem que tentaram, mas não resistiram ao rebaixamento feito pelo UBS e deixaram o campo positivo para cair. Às 12h32, a ação ordinária da empresa caía 0,07%. O banco reduziu a recomendação das ações preferenciais e dos ADRs da Telemar de "compra 2" para "neutro 2", além de cortar o preço-alvo em 12 meses da ação de R$ 44,38 para R$ 35,00 e do ADR de US$ 20,54 para US$ 16,25. Em relatório, o analista Carlos Sequeira cita "que não há nenhum sinal de melhora nos resultados operacionais do grupo no curto prazo", ausência de governança corporativa e nenhuma pista de como a Telemar pretende usar seu considerável fluxo de caixa livre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.