Acionistas aprovam venda de participação da Airbus para EADS

Os acionistas da britânica BAE Systems aprovaram a venda da participação de 20% que o grupo possui na Airbus para a European Aeronautic Defence & Space (EADS), por 2,75 bilhões de euros (US$ 3,50 bilhões).O apoio era esperado depois do conselho da BAE aceitar uma avaliação independente da fatia na fabricante de aviões, por um valor abaixo das estimativas do mercado. A EADS agora deve assumir o controle total da Airbus nos próximos dias.A BAE espera obter lucro líquido próximo de 1,78 bilhão de euros (1,21 bilhão de libras esterlinas) com o desinvestimento. Desse montante, mais de 500 milhões de libras deve retornar para os acionistas e o restante poderá financiar novas aquisições.Durante encontro de acionistas, o chairman da BAE Systems, Dick Olver, reiterou que o conselho acredita que a Airbus enfrenta uma perspectiva no curto e médio prazo "desafiadora", mas pode se tornar positiva no horizonte mais longo. "O conselho está preocupado com a possível necessidade de caixa dos negócios da Airbus no médio prazo", afirmou Olver.Depois de exercer a opção que forçou a venda da fatia da Airbus para a EADS, a BAE inicialmente demonstrou decepção com relação a avaliação independente, mas mudou de idéia depois de uma auditoria completa nas operações da Airbus.O executivo-chefe da Bae Systems, Mike Turner, declarou recentemente que entre os principais desafios da Airbus estão o dólar mais fraco, concorrência acirrada da Boeing Co. e o custo do desenvolvimento de novos aviões. Um porta-voz da EADS disse que o grupo planeja pagar em dinheiro pela parte da BAE na Airbus.No final da tarde de ontem, a EADS anunciou novos atrasos (de um ano em média) nas entregas do superjumbo A380. A decisão deve resultar em menos 2,8 bilhões de euros nos lucros operacionais do grupo nos próximos quatro anos. A Airbus também está planejando um amplo programa de reestruturação e deve pagar multas significativas para as companhias aéreas pelos atrasos. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.