Ações brasileiras em NY voltam a superar Reino Unido

Os papéis brasileiros superaram mais uma vez os do Reino Unido e ocuparam o topo do ranking dos ADRs (American Depositary Receipts) mais negociados em Nova York em abril. Os ADRs brasileiros giraram US$ 18,972 bilhões, enquanto os britânicos movimentaram US$ 17,048 bilhões. O desempenho de abril dá continuidade ao resultado do primeiro trimestre do ano, quando os ADRs brasileiros, títulos de empresas estrangeiras negociadas na bolsa norte-americana, assumiram a liderança, girando US$ 61,5 bilhões, ante US$ 58,1 bilhões do Reino Unido. A Petrobras se manteve como o papel mais negociado, considerando-se os dois programas de ADRs, representando as ordinárias e as preferenciais, da petroleira. Em abril, Petrobras girou, no total, US$ 6,058 bilhões (sendo US$ 4,017 bilhões em ON e US$ 2,040 bilhões em PN). Em segundo lugar, ficou a também petroleira BP, do Reino Unido, com US$ 4,72 bilhões, de acordo com dados do Bank of New York, um dos maiores depositários de ADRs do mundo. Em abril, houve uma queda geral nos negócios com ADRs em relação ao mês anterior. No caso do Brasil, o declínio foi de 19,27%: de US$ 25,5 bilhões transacionados em março, para US$ 18,97 bilhões em abril. Entre os papéis brasileiros, os mais negociados foram Companhia Vale do Rio Doce, com volume de US$ 4 bilhões somando-se ON e PN, Unibanco (US$ 1,25 bilhão), Bradesco (US$ 1,029 bilhão), Gol (US$ 704,8 milhões), Telemar (US$ 688,7 milhões), CSN (US$ 618,53 milhões) e Aracruz Celulose (US$ 514,75 milhões).

Agencia Estado,

04 de maio de 2006 | 14h15

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.