TARSO SARRAF
TARSO SARRAF

Ações da Eletrobrás têm forte alta após anúncio de plano de aposentadoria para funcionários

Segundo a estatal do setor elétrico, 4,6 mil funcionários são elegíveis ao plano

Karin Sato, Fátima Laranjeira, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2017 | 18h41

A Eletrobrás viu suas ações fecharem em forte alta hoje após divulgar na véspera um plano de aposentadoria extraordinária que deve atingir 4.607 funcionários. A medida é válida para a holding e também para as empresas Eletrobrás CGTEE, Cepel, Chesf, Eletronuclear, Eletronorte, Eletropar, Eletrosul e Furnas. 

Penalizadas nos últimos dias pela crise política deflagrada pelas delações de executivos da JBS, as ações ON (com direito a voto) da estatal terminaram o pregão em alta de 5,32%. Já as PNB (preferência no recebimento de dividendos), avançaram 3,81%. O Índice Bovespa teve um dia de recuperação e avançou 1,60%, aos 62.662,48 pontos.

Além disso, os investidores da companhia tomaram conhecimento que o BTG Pactual é o assessor financeiro contratado pela estatal para fazer a avaliação dos ativos de geração e transmissão que a estatal pretende vender ainda neste ano como parte de sua estratégia para reduzir seu endividamento.

O Plano de Aposentadoria Extraordinária da Eletrobrás (PAE), anunciado nesta segunda-feira, 22, prevê adesões voluntárias divididas em dois períodos, sendo o primeiro até o dia 30 de junho, enquanto o segundo vai de 10 a 31 de julho. Os desligamentos serão realizados entre junho e dezembro deste ano. O plano é uma das iniciativas previstas no Plano Diretor de Negócios e Gestão (PDNG) para o período de 2017 a 2021. As condições foram aprovadas previamente pela Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest).

"Em razão das condições aprovadas pela Sest, são considerados elegíveis 4.607 empregados, com idade igual ou superior a 55 anos e com pelo menos dez anos de vínculo empregatício com a empresa, no momento do desligamento, que se enquadrem em uma das seguintes condições: aposentados pela previdência oficial; em condições de aposentadoria pela previdência oficial até a data de desligamento, de acordo com as regras atuais do INSS; e empregados reintegrados e anistiados à empresa por meio da Comissão Especial Interministerial (CEI de Anistia), conforme estabelecido pela Lei nº 8.878/1994", diz a Eletrobras. 

Neste último caso, não há exigência de tempo mínimo de empresa, idade mínima ou obrigatoriedade de ser aposentado ou aposentável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.