Ações da Gol e TAM estão entre as maiores baixas hoje

As ações da TAM e da Gol lideraram as quedas do índice Bovespa esta manhã, com perdas de 4,35% e 2,55%, respectivamente, por volta das 12 horas. Parte do movimento é correção de ganhos, já que os papéis dispararam na semana passada, após a Gol anunciar a compra da Varig. As ações da Gol, inclusive, foram o maior ganho do Ibovespa na semana passada, com valorização de 3,3%, ante 0,6% do Ibovespa. Conforme já assinalavam alguns gestores na semana passada, as altas dessas ações seriam muito fortes e não estariam considerando a crise atual do segmento aéreo no Brasil, que piorou. Na sexta-feira, depois de meses de queda-de-braço com as autoridades aéreas, os controladores de vôo radicalizaram e decidiram paralisar as operações aéreas em todo o País a partir das 18h45. Foi o segundo passo de uma mobilização que começou ao meio-dia, quando os sargentos controladores iniciaram uma greve de fome. Ontem à noite, apesar de grande parte dos aeroportos do País trabalhar ininterruptamente desde a manhã do sábado, ainda havia atrasos de mais de uma hora em 20% dos vôos. Os cancelamentos diminuíram - foram 18 (1,6%) em todo o País. Proporcionalmente, os maiores problemas ocorreram em Belém (42,3% dos vôos com atrasos) e Salvador (38,5%). Nessa manhã, de acordo com a Infraero, a situação já estava relativamente tranqüila nos principais aeroporto do País. Segundo o último boletim, da zero hora até 10h40, o porcentual de vôos atrasados foi de 7,3%. De 643 vôos programados, 49 apresentavam atrasos superiores a uma hora e sete foram cancelados, o que representa um 1% do total. O governo pretende assinar amanhã uma medida provisória transferindo 1.500 dos 2.400 controladores militares para o novo Controle da Circulação Aérea Geral, de caráter civil, que será vinculado ao Ministério da Defesa. Em contrapartida, para resolver a crise criada com a decisão de não prender os militares amotinados na sexta-feira, a Aeronáutica estabeleceu um prazo de 45 dias para que os controladores deixem por completo todas as dependências da FAB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.