Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Ações da JBS caem 31,3% e empresa perde R$ 7,5 bi em valor de mercado

Sob pressão após as delações premiadas feitas por seus controladores, papéis da empresa fecharam ontem num nível mais baixo até do que o do dia de abertura de capital

Malena Oliveira e Alexa Salomão, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2017 | 16h14

A JBS foi duramente punida pelo mercado financeiro nesta segunda-feira, 22. Depois de registrar leve alta na sexta-feira, 19, o papel da empresa na bolsa de São Paulo despencou 31,34%. Num único dia, a JBS perdeu R$ 7,5 bilhões em valor de mercado. O papel fechou valendo R$ 5, 98 – uma das menores cotações de sua história, abaixo até, em termos nominais, do valor registrado na abertura de capital, há 10 anos. Em sua estreia, a ação da companhia foi cotada a R$ 6,29.

Segundo levantamento realizado pela Economática, empresa de análise financeira, o tombo de ontem coloca a JBS na lista das empresas que mais sofreram no mercado acionário brasileiro desde a crise de 2008. A queda de ontem está abaixo da registrada pela OGX, a empresa de Petróleo de Eike Batista, que chegou a entrar em recuperação judicial: sua queda diária recorde foi de 40%. No entanto, se aproxima da retração recorde registrada pelo papel da Sadia. No auge da crise que precedeu a sua fusão com a Perdigão, caiu 35,5% num dia. A queda da JBS fica acima da registrada pelo Banco Pan – cujo recorde de queda foi de 30,9% em meio a denúncias que terminaram com a venda da instituição.

Indefinição total. Entre os analistas, a percepção é que os indicadores básicos ligados aos negócios da empresa, como projeção de volume comercializado, receita ou mesmo dívida estariam “virando pó”. Neste momento, avaliam, não é possível traçar nenhum cenário sobre os resultados para os próximos meses. A recomendação para os investidores é não fazer nada. Nem vender, nem comprar. O cenário geral do mercado é que a empresa vai sofrer restrição de crédito pelos bancos e pressão dos clientes.

Procuradas pela reportagem, as principais redes de varejo confirmaram, em notas, que estão em compasso de espera. O Carrefour destacou que “não tolera nenhuma prática ilícita e tem como princípio fundamental o combate à corrupção” e vai acompanhar o desfecho do processo para definir uma posição.

STF só decidirá sobre inquérito de Temer após perícia, diz Cármen Lúcia

O Grupo Pão de Açúcar informou que está “acompanhando o desenrolar dos acontecimentos e que seguirá as cláusulas definidas em contrato estabelecido com o fornecedor”. Walmart disse que “integridade é um dos valores fundamentais” da empresa e que acompanha o caso “atentamente”. Segundo o Estado apurou, os grupos de varejo monitoram a reação dos consumidores nas redes sociais, onde circulam vídeos pedindo boicotes produtos das marcas Friboi e Seara.

Em nota, a J&F Investimentos declarou que todas as suas controladas atuam normalmente. Sobre a retração da ação da JBS, destacou que a empresa opera “dentro do plano de negócios, tem uma situação financeira robusta e confia na qualidade de seus produtos e serviços.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.