Paulo Giandalia/Estadão
Paulo Giandalia/Estadão

Ações da JBS disparam e fecham em alta de mais de 22%

Mercado reage a notícias sobre interesse da controladora, J&F, em venda de ativos para bancar multa por corrupção

O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2017 | 17h35

As ações da JBS, que registraram na semana passada a queda histórica de 31%, dispararam no pregão desta quinta-feira, 25, e fecharam em alta de 22,54%, a R$ 8,21, na máxima. Apesar de ter um peso menor no Índice Bovespa, analistas apontam que a alta das ações ajudou a neutralizar as perdas da Bolsa, que fechou em queda de 0,05%, aos 63.3226,78 pontos.

Mais cedo, fontes ouvidas pelo Estado afirmaram que o grupo J&F, controlador da dona das marcas Friboi e Seara, estaria buscando bancos para vender as empresas Alpargatas, Eldorado e Vigor. O banco Bradesco BBI já teria sido consultado sobre as operações.  A empresa nega. Em nota, a companhia afirma que a contratação não aconteceu. "A J&F Investimentos informa que não é verdadeiro o relato de que contratou o Bradesco BBI ou qualquer outro banco para a venda de ativos."

MPF nega oferta de R$ 4 bi da J&F para fechar leniência

A possibilidade de venda levou a um rally nas ações, que apresentavam forte oscilação na abertura dos negócios e chegaram a entrar em leilão - quando a Bolsa continua recebendo ofertas pelo papel, mas há um descasamento entre os preços de compra e de venda. À tarde, porém, o preço disparou e o papel ON (ação com direito a voto) da processadora de carnes fechou os negócios na máxima.

A expectativa dos investidores é de que com a venda de outros ativos, a companhia possa centrar forças na operação da JBS que deve passar por forte turbulência com os acordos de delação, já fechado, e o de leniência que está em negociação com o Ministério Público Federal (MPF).

BNDES e Caixa perdem R$ 3,4 bi com queda nas ações da JBS

A situação financeira no grupo, entretanto, tende a ficar apertada na medida em que os bancos tiverem que renovar as linhas de crédito para a empresa ou até mesmo com o acordo a ser firmado com o MPF. Segundo fontes, a empresa está otimista de que o acordo seja fechado em cerca de R$ 6 bilhões ou R$ 7 bilhões, mas os procuradores estão bastante rígidos em função da péssima imagem que está sendo transmitida ao mercado com o acordo firmado com os irmãos Batista, em que eles saíram imunes dos crimes que admitiram ter cometido. A oferta original do MPF era um acordo de R$ 11 bilhões a ser pago em dez anos. /COM JOSETTE GOULART

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.