Ações da Petrobrás caem e voltam a pressionar Ibovespa

Às 15h45, o Ibovespa tinha desvalorização de 1,23%, aos 69.674 pontos

Beth Moreira, da Agência Estado,

07 de outubro de 2010 | 12h45

A Bovespa opera em queda mais acentuada que Wall Street nesta quinta-feira, 7, pressionada mais uma vez pela desvalorização das ações da Petrobrás, que é responsável por cerca de um terço da movimentação da Bolsa nesta jornada. Outras blue chips como Vale e siderúrgicas também caem, mas com menos intensidade contribuindo para manter o Ibovespa abaixo dos 70 mil pontos.

Às 15h45, o Ibovespa recuava 1,23%, aos 69.674 pontos, após alcançar a mínima de 69.313 pontos e a máxima de 70.739 pontos. O giro financeiro era de R$ 8,8 bilhões, com previsão de R$ 9,76 bilhões para o fechamento. No mesmo momento, o Dow Jones operava em baixa de 0,21%, enquanto o S&P 500 recuava 0,25%.

Após despencarem mais de 4% na pregão da véspera, pressionadas pelo rebaixamento da recomendação e preço por vários bancos e corretoras, as ações preferenciais da Petrobras abriram a sessão desta quinta-feira em leve alta, mas logo inverteram o sinal. Há pouco, o papel PN recua 2,71%. As ações ON, que ontem caíram 3,98%, hoje cedem 3,70%, cotadas. Ambas figuram entre as maiores quedas do Ibovespa.

Segundo operadores, parte da pressão de hoje ainda se deve aos relatórios que reviram os preços alvos para os títulos da estatal para baixo. O movimento, no entanto, é alavancado por rumores sobre irregularidades em contratos.

Nesta semana, seis relatórios com avaliações negativas a respeito do desempenho dos papéis, cinco deles emitidos por instituições que participaram da venda de ações. No fechamento de quarta-feira, os títulos da estatal valiam menos do que o valor pago pelos investidores na capitalização.

Os relatórios foram elaborados por Bradesco, que era o líder da operação, Itaú BBA, Morgan Stanley, Deutsche Bank, Bank of America/Merril Lynch e Barclays - o único sem participação direta na venda de ações.

Itaú e Barclays rebaixaram as recomendações da Petrobrás para uma classificação em linha com o mercado. Antes, as duas viam potencial superior para as ações da empresa. Além disso, reduziram suas projeções de preço das ações da estatal. Os outros quatro bancos reduziram as projeções de preços.

As justificativas giram em torno do aumento da base de acionistas, dos altos preços pagos pela empresa pelas reservas do pré-sal compradas do governo e das perspectivas de custos para exploração do pré-sal. O texto do Barclays chega a dizer que a Petrobrás precisará de nova capitalização entre 2013 e 2014, caso o petróleo permaneça na casa dos US$ 80 por barril.

Vale e siderúrgicas

Outro peso pesado da Bolsa, a Vale em queda, com a PN recuando 0,45% e a ON recuando 0,56%. Mais cedo os contratos futuros dos metais básicos negociados na London Metal Exchange (LME) apresentavam direções divergentes, acompanhando os mercados acionários, enquanto os investidores aguardam cautelosamente os dados do payroll (relatório sobre os empregos) nos EUA, previstos para serem divulgados na sexta-feira.

As siderúrgicas caem em bloco com Gerdau (-0,59%), Gerdau Metalúrgica (-0,76%), CSN (-1,01%), Usiminas PNA (-1,58%) e Usiminas ON (-2,67%), esta entre as maiores quedas do Ibovespa. Operadores lembram que várias casas também divulgaram relatórios nesta semana sobre o setor rebaixando preço-alvo e recomendação. Um deles foi o Goldman Sachs, que reduziu a recomendação de Usiminas de neutra para venda, manteve neutra para CSN e de venda para Gerdau. Texto atualizado às 15h45

Tudo o que sabemos sobre:
bolsaPetrobrásNet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.