Ações da Petrobras e Comgás caem com efeito Bolívia

As ações da Petrobras e da Comgás começaram o dia com grande pressão vendedora hoje, à medida em que Brasil e Bolívia endurecem o diálogo e desenham um crise política de maior extensão. Pouco depois das 12h, Petrobras PN caía 1,08% e negociava R$ 120 milhões. Comgás PNA perdia 1,89%. O mercado está preocupado com o fato de o governo e a Petrobras estarem adotando, em determinados momentos, discursos distintos. Operadores afirmam que, em termos de negócio, a participação da Bolívia para a Petrobras é pequena. Para a Comgás a situação é mais problemática. O mercado faz as contas e já se preocupa com o impacto que a crise do gás poderá ter na inflação brasileira _e teme qualquer mudança na tendência de queda dos juros básicos. Se houver algum desabastecimento, a troca do gás natural por energia ou óleo combustível poderá significar para vários segmentos da cadeia produtiva um aumento de custos. O consumo de gás no Brasil é de 50 metros cúbicos por dia, enquanto a produção chega a 12. A inflação voltou a ser o tema dos mercados. Também a alta dos preços das commodities gera preocupação sobre o futuro das taxas de juros norte-americanas _ se elas seguirem em alta, tendem a atrair mais investidores globais do que os ativos de emergentes seriam capazes. Com isso, os mercados pelo mundo caem hoje. Particularmente na praça doméstica, segunda-feira é vencimento de opções sobre ações; como o dia é de perda acentuada, investidores ordenam stop loss nas posições mais líquidas no segmento futuro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.