Ações da Petrobras e Vale se ajustam a perdas em NY

As ações de primeira linha (blue chips, em inglês) da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) estão se ajustando ao pregão de ontem em Nova York, já que a bolsa paulista ficou fechada para comemorar o feriado de aniversário da cidade de São Paulo. Na quinta-feira Petrobras encerrou em baixa de 2,28% nos EUA, e Vale do Rio Doce caiu 2,18%. Às 11h41, as ações ON da estatal de petróleo recuavam 1,41%, apesar da alta do petróleo futuro, que era de 0,61% na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) eletrônica, com o barril para março valendo US$ 54,57. Os metais também sobem, e o níquel atingiu novas máximas em Londres. O mercado também começa a avaliar as projeções de investimentos da Vale para este ano. A empresa pretende investir US$ 6,334 bilhões em 2007. A queda do Ibovespa (0,96%) deixa pouco espaço para altas. Entre essas estão papéis que subiram ontem em Nova York, como TAM (+0,07%) e Gol (+1,44%). Além disso, as companhias já operam com uma notícia potencialmente positiva: a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) divulgou ontem o cancelamento de 119 vôos domésticos da Varig, de um total de 270 linhas que a companhia tinha direito desde que recebeu sua homologação como empresa de transporte aéreo (certificado conhecido como Cheta), em 14 de dezembro. A partir desta data, a Varig tinha 30 dias para operar todos os vôos, mas o órgão regulador da aviação civil constatou que a empresa operou apenas 151 rotas. No aeroporto de Congonhas, a Varig tinha direito a 125 slots (permissões de pouso e decolagem), mas a Anac verificou que a companhia operou só 102 slots. Há expectativa de que essas fatias sejam distribuídas entre as demais empresas. Apesar de não representarem a "Nova Varig", as ações Varig restantes na Bovespa caíam fortemente: a perda por volta das 11h40 era de 6,32%, após 68 negócios, para R$ 2,37.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.