Ações da Vale do Rio Doce podem se valorizar mais de 80%, segundo ABN

Quem comprar ações da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) hoje pode obter, em um ano, lucro de mais de 80%. É essa a projeção da ABN Amro Real Corretora, que ontem elevou o preço-alvo (para um prazo de 12 meses) das ações da Vale. A ação preferencial classe A (PNA) da empresa tem agora preço-alvo de R$ 75,01 (antes, era de R$ 72,27) e a ação ordinária (ON), de R$ 90,01 (contra R$ 86,72). Os novos valores representam potenciais de valorização de 88% e 84%, respectivamente, em relação ao preço das ações negociadas na última sexta-feira (9/6) na Bolsa de Valores de São Paulo. A corretora reiterou sua recomendação de "alta performance" para os papéis da mineradora. Em relatório, o analista Pedro Galdi destaca que a mudança considerou a atualização das premissas macroeconômicas, a divulgação de novos indicadores operacionais - com destaque para a revisão do preço do minério de ferro em 2006 -, dados do balanço do primeiro trimestre de 2006 e alterações da base acionária com o desdobramento de ações ocorrido no dia 22 de maio. O especialista afirmou que, entre todos os fatores citados, o reajuste do minério de ferro em 19% foi o que mais impactou positivamente a projeção para a empresa. A análise diz ainda que o setor de mineração vem passando por um período extremamente favorável, refletindo o crescimento da demanda internacional e, principalmente, a forte ampliação da capacidade de produção siderúrgica na China. "Para beneficiar-se deste cenário positivo em seus resultados, a vale tem mantido um agressivo programa de expansão, que a levará a uma capacidade de oferta de ferro de 300 milhões de toneladas por ano em 2007." Segundo a corretora, a economia mundial deve seguir em crescimento nos próximos anos, sustentado pela manutenção de bom nível de atividade nas economias dos Estados Unidos e Ásia, além da melhora da conjuntura de outras regiões como Europa e América Latina.

Agencia Estado,

13 de junho de 2006 | 07h00

Tudo o que sabemos sobre:
ações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.