Ações de produtoras de commodities avançam

Depois de subir 15,74% na sexta-feira, Brasil Ecodiesel lidera baixas

Luciana Collet, da Agência Estado,

25 de outubro de 2010 | 13h03

A Bovespa opera em alta nesta segunda-feira, acompanhando o movimento observado nos mercados internacionais, após um encontro sem grandes novidades na reunião do G-20 na Coreia do Sul. As commodities se valorizam no exterior e impulsionam as ações das produtoras locais. Notícias corporativas também estimulam os negócios com alguns papéis, como Brasil Ecodiesel e Tereos.

Às 12h48, o principal índice da Bolsa paulista subia 0,53%, aos 69.911 pontos, após ter alcançado máxima de 70.231 pontos (+1,01%). O giro financeiro era de R$ 1,81 bilhão, com previsão de R$ 7,28 bilhões para o fechamento. Em Nova York, o Dow Jones registrava ganhos de 0,61% e o S&P 500 avançava 0,62%.

Conforme analistas, o acordo do G-20 para não desvalorizar competitivamente suas moedas colocou o dólar de novo sob pressão, beneficiando as commodities. De fato, mais cedo alguns metais básicos negociados na London Metal Exchange (LME) atingiram novas máximas em vários meses. Em Nova York, o cobre negociado na Comex opera com alta acima de 2%.

Por aqui, Vale PNA avançava 1,43%, enquanto a ação ON da mineradora subia 1,28%. Além do estímulo dado pela alta dos metais, operadores lembram que na próxima quarta-feira a companhia divulgará seus resultados do 3º trimestre, que devem vir muito fortes.

As siderúrgicas operam com sinais divergentes. CSN ON (+0,63%), Gerdau PN (+0,58%) e Metalúrgica Gerdau PN (+0,32%) seguem a trajetória de alta verificada na sexta-feira, enquanto caem Usiminas PNA (-0,68%) e Usiminas ON (-1,94%), esta entre as maiores baixas do Ibovespa.

Petrobras PN avança 1,20% e ON sobe 1,16%, em dia de alta do petróleo no mercado internacional. Há pouco o barril era cotado a US$ 83,03 (+1,65%) na Nymex eletrônica. Contrariando o movimento, OGX Petróleo recuava 1,30%, também entre as mais expressivas quedas do índice.

A lista de maiores baixas era, no entanto, liderada pela Brasil Ecodiesel ON, que recuava 5,60%, após ter registrado alta de 15,74% na última sexta-feira, quando reagiu a rumores sobre uma possível fusão. Hoje a empresa enviou comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informando que negocia uma possível combinação de negócios com a Maeda S.A. Agroindustrial, que ficaria com cerca de 33% da sociedade resultante da combinação.

Segundo a Brasil Ecodiesel, está sendo discutida uma relação de troca, sujeita ainda à aprovação das companhias e confirmação por instituição avaliadora, de aproximadamente 3,6395 ações da Maeda para cada ação da Brasil Ecodiesel, o que atribui à Maeda um valor econômico de aproximadamente R$ 320 milhões. "A ação subiu no boato e agora cai no fato, mas ainda faltam informações para analisarmos melhor o negócio, que de qualquer forma ainda não foi fechado", disse um analista.

Também apareciam na lista Gol PN (-2,42%), Rossi Residencial ON (-1,53%); Lojas Renner ON (-1,23%); PDG Realty ON (-1,14%) e MRV ON (-1,08%).

Entre as maiores altas figuravam: TIM PN (+3,06%); BM&FBovespa ON (+3,03%); Cosan ON (+2,34%); CCR ON (+2,28%); Brookfield ON (+1,90%); units do Santander (+1,90%); Ambev PN (+1,84%) e Souza Cruz ON (+1,73%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.