Pilar Olivares/ Reuters
Pilar Olivares/ Reuters

Investidor que usou FGTS para comprar ações da Eletrobras obteve 67% do que pediu

Quem que fez uso de seu FGTS para entrar na oferta não poderá se desfazer do investimento por um prazo de no mínimo 12 meses

Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2022 | 11h56

O trabalhador que usou seu Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para comprar ações na privatização da Eletrobras conseguiu levar 66,79% do que reservou, de acordo com o comunicado sobre a operação, que movimentou R$ 33,7 bilhões.

Como a demanda pelo FGTS foi alta, chegando a R$ 9 bilhões, com 370 mil pessoas reservando as ações, de acordo com fontes, foi necessário fazer o rateio. Na oferta total, foram alocados R$ 6 bilhões para trabalhadores que usaram o FGTS.

O investidor que fez uso de seu FGTS para entrar na oferta não poderá se desfazer do investimento por um prazo de no mínimo 12 meses, exceto em alguns casos, como demissão. A diferença entre o valor pedido e o total que será efetivamente investido voltará para a conta do trabalhador, ficando sujeita às regras de correção de praxe.

Essa é a primeira vez que o trabalhador pode usar parte do saldo de seu FGTS para comprar ações desde a megacapitalização da Petrobras, em 2010. A grande demanda, segundo analistas, é explicada pela possibilidade de rentabilidade maior do que a proporcionada pelo FGTS, de 3% + TR ao ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.