Acordo entre Petrobras e Copel é melhor que o esperado

As ações da Companhia Paranaense de Energia (Copel) tiveram forte oscilação hoje diante da confirmação de que a empresa alugou a termelétrica a gás Araucária para a Petrobras. Durante os negócios na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), as ações PNB oscilaram entre alta de 2,61% e queda de 1,19%, mas na maior parte dos negócios resistiram à realização de lucros na Bolsa paulista. Na Bolsa de Nova York, a alta dos American Depositary Receipts (ADRs) - recibos de ações da companhia - supera 7%. O contrato será válido até 31 de dezembro de 2007 e poderá ser prorrogado por até 12 meses. Segundo dados divulgados pelas empresas, o valor do aluguel mensal, destinado a cobrir todos os custos e tributos devidos pela UEG Araucária, será composto de uma parcela fixa mensal e outra variável. O montante fixo será de R$ 13,14 por MWh, multiplicado pela potência de referência (428,35 MW) e pelo número de horas do mês, representando R$ 50 milhões por ano. O valor da parcela variável mensal, de R$ 33,23 por MWh, será calculado em função da efetiva energia gerada. As empresas fecharam também um acordo de prestação de serviços de operação e manutenção da usina, com vigor até 31 de dezembro de 2008 ou até o término da locação, o que ocorrer primeiro. Neste caso, o valor mensal dos serviços prestados, destinado a remunerar a operadora, será de R$ 5,86 por MWh, também multiplicado pela potência de referência e pelo número de horas do mês. Na avaliação dos analistas do Unibanco, o acordo foi mais favorável à Copel do que o esperado. A companhia paranaense já havia divulgado que negociava o acordo, mas a instituição estimava que o contrato representaria o ganho de cerca de R$ 50 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.