Acordo na Volks de Taubaté garante investimento

A direção da Volkswagen na Alemanha deve anunciar hoje novos investimentos para a fábrica do grupo em Taubaté, interior de São Paulo. Ao aceitar ontem o programa de reestruturação que implica corte de 160 empregos ainda este mês e mais 140 até o fim do ano, além de redução de benefícios, os trabalhadores garantiram à filial paulista sua inclusão na lista de aportes a serem liberados pela matriz. Projetos para unidades da companhia em vários países serão definidos hoje.O anúncio deve apenas confirmar investimentos para novos modelos em Taubaté, onde a linha Gol é produzida. Valores, prazos e produtos ainda não devem ser revelados. Fornecedores de peças no Brasil confirmam que já estão trabalhando no desenvolvimento de componentes para um veículo por enquanto chamado de NF, previsto para 2008. As apostas são para um compacto, provavelmente substituto do Gol. No mercado há 26 anos, o modelo passou por quatro reestilizações e ainda é o mais vendido no País.As fábricas de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, e de São José dos Pinhais, no Paraná, não devem ser contempladas no plano de investimentos, estratégia que a Volks adotará para forçar negociações, como em Taubaté. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Lopez Feijóo, tem dito que não negociará demissões e corte de benefícios.A Volks planeja para São Bernardo 1,8 mil demissões ainda este ano, mas os 12 mil trabalhadores estão protegidos por acordo de manutenção de empregos até 20 de novembro. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, Sérgio Butka, também não aceita negociar agora e considerou o acordo de Taubaté ?precipitado?. A fábrica tem 4 mil empregados e pelo menos 900 podem ser dispensados ainda este ano.No plano de reestruturação, a Volks fala em 4 mil a 6 mil cortes até 2008. Para Taubaté, a cota é de no máximo 700 dispensas, já incluídas as 300 que devem ocorrer até dezembro, segundo a empresa. Pelo plano aprovado ontem , os demitidos, indicados pela empresa, vão receber 60% do salário por ano trabalhado. ?Tem muito empregado descontente com a pressão dos últimos meses e estava só esperando um estímulo para sair?, disse Valmir Marques da Silva, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté.Segundo o sindicalista, a garantia de investimentos dará mais tranqüilidade aos funcionários e ?trará novos ventos a Taubaté?. Para quem ficar na fábrica, as condições são um pouco melhores do que as apresentadas inicialmente pela Volks, mas ainda assim implicam em redução de benefícios. O desconto de 1% do salário para o plano médico, por exemplo, passará para 2%. Novos contratados pagarão 3%, além de receberem salários inferiores.?Os empregados e o Sindicato de Taubaté deram um claro sinal de que têm todo interesse em viabilizar o futuro da fábrica, focando a competitividade da operação como forma de criar condições para atrair novos investimentos?, disse, em nota, o vice-presidente de Recursos Humanos da Volks, Josef-Fidelis Senn.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.