Acordos ressarciram 61 investidores na Bovespa em 2006

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) informou hoje que, em 2006, foram registrados 24 processos originados de reclamações formais, sendo que sete resultaram em acordos mediados pelo Ombudsman do Mercado e outros 17 foram indenizados pelo Fundo de Garantia da Bolsa. "A maioria dos acordos firmados teve, na origem da reclamação, a atuação de agentes autônomos que extrapolaram suas funções", diz o relatório anual sobre o assunto. Ao todo, 61 investidores foram ressarcidos nos acordos formais em 2006, que somaram R$ 970 mil. Em 2005, foram instaurados 21 processos do tipo, sendo que quatro terminaram em acordos formais, que envolveram R$ 37,4 mil. Os outros 17 recorreram ao Fundo da Bovespa. O balanço do Ombudsman do Mercado mostra ainda que, do total das reclamações recebidas no ano passado, 19,4% não foram consideradas procedentes e decorrem da falta de informação e desconhecimento sobre determinados procedimentos. Ao todo, a Bolsa paulista atendeu 1.554 aplicadores pessoa física em 2006, demanda 67,9% superior à verificada no ano anterior, quando se registrou 926. "O resultado reflete os aumentos de 41% da quantidade de pessoas físicas, que passou para 219.634, e de 17,5% do número de investidores de clubes de investimento, que encerrou dezembro com 131.969 cotistas." A Bovespa informou ainda ter recebido, no ano passado, 205.133 solicitações por informações, incluindo os contatos feitos por e-mail, ligações telefônicas, cartas, fax e atendimento pessoal no balcão do Centro de Informações Bovespa/CBLC. As demandas mais freqüentes abordavam pedidos de indicações de corretoras, informações sobre sua confiabilidade e solidez econômico-financeira, bem como questões sobre as conseqüências para o investidor na hipótese de uma eventual quebra da corretora pela qual investe. Segundo o relatório, a busca por informações sobre o mercado vem sendo o principal motivo de contato com o Ombudsman desde 2003, quando pela primeira vez observou-se que as reclamações deixaram de liderar as demandas recebidas. Em 2006, os contatos para reclamações ou críticas caíram da segunda para a terceira posição. Em 2006, do total de 1.554 solicitações recebidas, 567 (37%) referiam-se a pedidos de informações, ante os 429 do ano anterior. Na seqüência vieram dúvidas e pedidos de esclarecimentos, com 483 demandas (31%), ante 224; críticas ou reclamações, com 458 demandas (29%), ante 236; e sugestões, que somaram 46 contatos (4%), ante os 37 registrados em 2005. "No que diz respeito às reclamações, as corretoras permaneceram como o alvo mais freqüente de queixas dos investidores, com 52% dos contatos, seguida de bancos (25%), Bovespa (10%), entidades de compensação/liquidação (7%) e empresas emissoras (6%)." Do total das reclamações registradas, 33% referiam-se ao funcionamento do home broker, 9% às dificuldades na transferência de custódia, 9% ao não recebimento de extrato de custódia da CBLC e 8% ao mau atendimento.

Agencia Estado,

11 Abril 2007 | 12h31

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.