Águas com sabor provocam guerra no mercado de bebidas

De agora em diante, todos os supermercados de São Paulo serão obrigados pelo Procon a vender o H2OH! e todas as águas com sabor, fibras ou vitaminas em gôndolas separadas das de água mineral. A entidade de defesa do consumidor quer evitar confusão na cabeça do cliente. Por trás dessa medida, há uma guerra no mercado de bebidas saudáveis e o sucesso estrondoso e inesperado do novo refrigerante da Pepsi, o H2OH!, que tem incomodado tanto os fabricantes de água quanto os de refrigerante, em especial a Coca-Cola.A bebida de nome sugestivo é um refrigerante de limão com menos gás e edulcorantes que os convencionais. Lançada no Brasil em setembro do ano passado, atingiu em janeiro uma participação de 15% nas vendas de refrigerantes diet/light da cidade de São Paulo, o principal mercado do País. A Coca-Cola, líder desse segmento há anos, viu sua hegemonia ameaçada - em dezembro, seu market share havia caído de 35% para 31%, segundo dados do instituto AC Nielsen.A própria Pepsi, que sempre teve participações marginais nesse mercado, não estava preparada para suprir tamanho crescimento. O produto anda em falta na cidade de São Paulo e obrigou a AmBev, distribuidora da marca no País, a colocar quatro fábricas produzindo a bebida, como antecipou ontem a coluna de Sony Racy. Até então, era só uma. O refrigerante é vendido apenas em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Na próxima semana, será lançado em Porto Alegre."Não existe histórico de uma curva de crescimento como essa na empresa", diz o gerente de comunicação da AmBev, Alexandre Loures. "A Pepsi, vendo que estava perdendo a guerra das colas, iniciou uma estratégia de lançar várias outras bebidas no mundo inteiro. No Brasil, foram Gatorade, IceTea Lipton, Pepsi Twist e agora H2OH!"Nova categoriaO executivo não acredita que a medida do Procon vá interferir nas vendas do refrigerante. "Nossa idéia não é vender na gôndola de água, mas numa seção intermediária, que não é água nem refrigerante, onde há chás, sucos, isotônicos e águas com sabor", diz.Segundo o Procon, alguns supermercados da cidade foram autuados por vender o refrigerante nas mesmas gôndolas das águas minerais. Um supermercado na região central da cidade chegou a colocar garrafas de água mineral numa prateleira promocional do H2OH!, que estava em falta na loja."No final da semana passada, nós enviamos uma circular a todos os nossos associados sugerindo a mudança de lugar e a diferenciação clara dos produtos", diz o presidente da Associação Paulista de Supermercados (Apas), João Sanzonovo, que não vê gravidade no problema. "O consumidor dificilmente será enganado. Hoje ele está muito atento, lendo os rótulos. Ele vai se acostumar porque a tendência é surgir cada vez mais produtos que derivam da água."Para o diretor de novos projetos da empresa de bebidas Genuína Lindoya, Marco Aurélio Ruette, está havendo muita novidade de uma vez só, o que gera confusão nos supermercados. "O consumidor está confuso, mas isso é questão de tempo. É só ele ler o rótulo. O H2OH! é o 7Up com nova roupagem. No exterior, eles colocam o rótulo do 7Up em destaque. Aqui não fazem isso", diz."A Pepsi pegou um refrigerante que não vendia, investiu dezenas de milhões de reais e deu um tapa nele. Mas que a bebida caiu no gosto do consumidor, isso não dá para negar." As águas minerais respondem por 65% do faturamento da Genuína Lindoya. (Colaborou Marianna Aragão)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.