Ainda há um longo caminho até EUA se recuperarem, diz Covel

Para o autor de "Trend Following", as ações do governo devem piorar o problema do déficit fiscal do país

Luciana Xavier, da Agência Estado,

04 de setembro de 2009 | 16h56

Menos otimista do que o mercado acionário, o escritor e especialista em mercado de ações Michael Covel acredita que ainda é cedo para dizer que a recessão nos Estados Unidos acabou e que a economia está em recuperação. Covel é autor de dois best sellers "Trend Following" e "The Complete Turtle Trader" e, em setembro, deve lançar o documentário "Broke: The New American Dream", sobre as causas dos problemas econômicos atuais.

 

Ouça a entrevista na íntegra

 

"Não estou certo de que chegamos ao fim. Acho que temos um longo caminho a percorrer ainda. O fato de o mercado de ações estar subindo significa que estamos nos recuperando? Acho que é muito cedo para falar em recuperação", disse Covel, com exclusividade à jornalista Luciana Xavier, do AE Broadcast Ao Vivo, durante o 4° Congresso Internacional de Mercados Financeiro e de Capitais, que ocorre em Campos do Jordão.

Segundo Covel, ao continuar injetando dinheiro na economia e mantendo juros perto de zero, o governo norte-americano caminha no caminho oposto de resolver o problema do gigantesco e crescente déficit fiscal do país.

Covel também avalia que a permanência de Ben Bernanke no comando do Federal Reserve (Fed) por mais quatro anos não melhora as perspectivas para a economia. "Creio que é irrelevante. O fato é que os juros terão que subir em algum momento e, quando isso ocorrer, o mercado de ações vai ter nova virada para baixo".

Para Covel, está claro que os Estados Unidos não continuarão sendo a potência econômica do mundo. "Os EUA ainda serão superpotência do ponto de vista militar, mas economicamente já atingiram o pico".

Embora avalie haver exagero na ascensão das bolsas de Nova York, Covel aconselha investidores a aproveitarem essa tendência, ainda que não se saiba quanto tempo irá durar. Segundo ele, mesmo na pior crise em décadas, muitos investidores conseguiram fazer dinheiro.

Covel acrescentou que os grandes perdedores nesta crise, nos EUA, foram os americanos que tinham aplicações em bolsa, fundo mútuo e que estavam no mercado imobiliário. "Os grandes ganhadores foram os traders que seguiram a tendência e não tomaram decisões com base em fundamentos", disse Covel, admitindo que ele mesmo conseguiu ficar um pouco mais rico na recessão. "Agora não me pergunte onde colocar seu dinheiro. O que eu sempre digo é que devemos ficar atentos e seguir a tendência", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
EUArecuperaçãoMichael Covel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.