Alertas sobre deflação na Europa são exagerados, diz Ifo

O presidente do instituto Ifo, que realiza uma das pesquisas mais importantes sobre o sentimento dos empresários na Alemanha, classificou os recentes alertas sobre deflação na Europa como "exagerados", segundo prévia de um comentário que será publicado pela revista WirtschaftsWoche.

Estadão Conteúdo

18 de outubro de 2014 | 08h41

Hans-Werner Sinn, que coordena o instituto alemão, também afirmou que o Banco Central Europeu (BCE) não deveria associar os riscos de deflação à ampliação de sua política monetária expansionista.

"O Tratado de Maastricht não deu ao BCE a tarefa de conduzir a inflação para 2%, mas de mantê-la em zero por cento", disse Sinn, acrescentando que o mandato do BCE é manter a estabilidade dos preços, e não resgatar bancos e governos.

Na quinta-feira, a Eurostat - agência de estatísticas da União Europeia - confirmou que a taxa de inflação ao consumidor da zona do euro recuou para 0,3% em setembro, de 0,4% no mês anterior, atingindo o patamar mais baixo desde outubro de 2009. A meta de inflação do BCE é de taxa ligeiramente inferior a 2% no médio prazo.

Os comentários de Sinn vêm em meio a preocupações crescentes sobre o crescimento anêmico da zona do euro e temores de deflação no bloco. Em junho e setembro, o BCE anunciou cortes nas taxas de juros e planos de comprar bônus cobertos e títulos lastreados em ativos (ABS, na sigla em inglês), numa tentativa de reverter essa situação.

Analistas preveem que o BCE precisará ser ainda mais agressivo em sua política de estímulos e lançar um programa de relaxamento quantitativo, que envolveria compras em larga escala de bônus soberanos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaEuropaIfo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.