Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Alta do dólar castiga lucro de multinacionais americanas

A valorização do dólar está afetando o lucro de gigantes multinacionais dos Estados Unidos, levando analistas de Wall Street a fazer seus maiores cortes nas projeções de lucro desde a crise financeira, bem como impulsionando o apelo do investimento em empresas menores, focadas no mercado doméstico.

DOW JONES NEWSWIRES, Estadão Conteúdo

22 de março de 2015 | 19h56

O dólar saltou 12% em 2015 ante o euro e está 27% mais caro se comparado a um ano atrás. O Dollar Index, que compara o dólar a uma cesta de moedas, subiu 5,3% neste ano. A valorização do dólar em relação ao euro foi impulsionada pelo programa agressivo de afrouxamento monetário do Banco Central Europeu, que veio em um momento em que a autoridade monetária dos EUA está preparando a elevação das taxas de juros.

Analistas, citando o fortalecimento do dólar como um fator principal, estão prevendo que o lucro no primeiro trimestre das empresas que compõem o S&P500 passará pela maior queda anual desde o terceiro trimestre de 2009.

Como resultado, investidores estão mais inclinados a investir em ações de empresas americanas que fazem menos negócios no exterior, como as menores, que tendem a ter maior foco no mercado doméstico, e em companhias fora dos EUA que devem se beneficiar de um enfraquecimento de suas moedas locais, particularmente indústrias da Europa.

"O que é notável é a velocidade com que o dólar tem acelerado, e essa velocidade traz consigo complicações", disse Anwiti Bahuguna, gestor de carteira sênior do time de alocação global da Columbia Management. "A valorização da moeda americana está ocorrendo a um ritmo muito, muito mais acelerado que você já foi visto na história."

As complicações do fortalecimento do dólar têm sido visíveis nos resultados das companhias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.