Aluguel: cresce procura por seguro fiança em São Paulo

O proprietário que direciona seu imóvel para locação deve repensar seus conceitos e avaliar com mais cuidado alternativas à exigência do fiador diante do excesso de oferta. Desde o ano passado, o uso do seguro fiança como garantia da locação de imóveis foi o que mais cresceu na cidade de São Paulo, segundo revela um levantamento da administradora imobiliária Lello. A popularização desse tipo de seguro afetou diretamente a contratação dos tradicionais fiadores, cuja participação nos contratos apresenta queda. No primeiro trimestre deste ano, 12% dos contratos de locação residencial utilizaram seguro-fiança. No mesmo período de 2005 esse porcentual havia sido de 9%. O fiador ainda responde pela maior parte das garantias de locação, mas com menor participação. Esse tipo de garantia respondeu por 70% do total de contratos entre janeiro e março deste ano, contra 74% do primeiro trimestre de 2005. A caução em dinheiro (depósito de valor correspondente a três meses de aluguel) manteve estabilidade, com 13% dos contratos. As demais garantias, como carta fiança, fiança premiada e caução em imóvel (registro de casa ou apartamento como garantia), continuaram com participação tímida, passando de 5% para 4%. Para Roseli Hernandes, gerente de Locação e Vendas da Lello, o crescimento do seguro fiança se deve, principalmente, à dificuldade cada vez maior de se encontrar fiadores no mercado. Essa dificuldade foi agravada em fevereiro deste ano, depois que o Supremo Tribunal Federal decidiu que o único imóvel (bem de família) de uma pessoa que assume a condição de fiador em contrato de locação pode ser penhorado, em caso de inadimplência do locatário. Apesar do custo elevado - o seguro de um aluguel de R$ 550 custa R$ 775 por ano na Porto Seguro, por exemplo -, Roseli acrescenta que as seguradoras aumentam a cada dia as vantagens para locador e locatário. Além de garantir o pagamento dos aluguéis, os pacotes de seguro fiança podem incluir uma série de serviços adicionais - o exemplo de custo acima não oferece, no entanto, qualquer extra. Para o locador, um contrato de seguro fiança inclui a cobertura diante de inadimplência dos pagamentos de condomínio, água, luz, gás e IPTU. A maior utilização do seguro fiança neste ano aparentemente não influenciou os números sobre inadimplência. Dados da administradora Hubert Imóveis mostram que o número de ações de despejo por falta de pagamento apresentadas no Fórum de São Paulo aumentou no primeiro trimestre. Entre janeiro de março deste ano, foram encaminhadas ao Fórum 5.423 ações de despejo por falta de pagamento. Esse número representa 25,89% das 20.945 ações de todo o ano passado. Em março, foram encaminhadas 2.119 ações dessa natureza, com aumento de 29,29% sobre fevereiro. Segundo a Hubert Imóveis, esse aumento acontece devido às férias de janeiro e ao fato de fevereiro ter menos dias úteis. Com isso, há uma repressão da demanda, que explode em março.

Agencia Estado,

03 de maio de 2006 | 15h14

Tudo o que sabemos sobre:
ações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.