Analistas do exterior acompanham Brasil atentos

O anúncio da ampla ação do Banco Central (BC) do Brasil para tentar conter a sangria do real conseguiu conter a desvalorização da moeda brasileira na manhã desta sexta-feira, 23. Analistas internacionais acompanham a reação do mercado com atenção, mas há dúvidas se o montante de até US$ 60 bilhões será suficiente para fazer frente ao movimento do mercado. Outros países como a Índia e Turquia também anunciaram medidas nos últimos dias.

FERNANDO NAKAGAWA, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

23 de agosto de 2013 | 10h57

"Moedas emergentes parecem querer fazer uma pausa após a forte queda observada durante a semana. Enquanto os bancos centrais emergentes estão preocupados com o futuro, especialmente o fim dos estímulos norte-americanos, Índia, Turquia e agora o Brasil anunciam programas de intervenção para dar suporte às moedas", diz a analista do suíço Swissquote Bank, Ipek Ozkardeskaya, em nota aos clientes.

A economista do banco suíço de médio porte que atua no segmento de moedas emergentes diz ter dúvidas, porém, se a magnitude da ação anunciada ontem à noite será suficiente para proteger o real. Ao comentar que o programa separa US$ 3 bilhões por semana, a economista diz que a pressão sobre divisas emergentes deverá continuar nos próximos meses e, por isso, diz não saber se é a hora de comprar reais.

"A despeito da forte pressão de venda esperada para os próximos meses nos mercados emergentes, será que estamos na hora certa para sair do México (e ir para o Brasil)? Ou o BC do Brasil continuará impotente nessa batalha para proteger o real contra o momento do mercado", questiona a economista, que, por enquanto, prefere permanecer com as posições no mercado mexicano.

Também há cautela no EverBank, outro banco de nicho que também atua em moedas emergentes. Para o vice-presidente de mercados emergentes da casa, Chuck Butler, a decisão do governo brasileiro pode ser considerada uma surpresa. "O BC do Brasil anunciou uma intervenção de até US$ 60 bilhões em um esforço para conter a queda do real. É como mudar os cavalos no meio da travessia do rio, já que não faz muito tempo que o mesmo BC estava vendendo reais para enfraquecê-lo", lembra.

"Mas não sei se os US$ 60 bilhões serão suficientes. Isso, na verdade, só mostra que as duas instituições, o BC e governo brasileiro, estão juntas no esforço e não ficarão sentadas à espera de uma reação da moeda", diz o vice-presidente do banco em e-mail aos investidores.

Para Butler, será especialmente importante observar a reação do mercado no Brasil porque, para ela, a medida pode ter implicações em outros países. "Se funcionar, acho que outros emergentes, como Colômbia, México, Índia e Turquia, seriam beneficiados. Particularmente, não gosto de intervenções de bancos centrais, mas acho que, como o BC participou das ações passadas que enfraqueceram o real, acho que agora eles têm que encontrar maneiras de reverter o quadro", diz.

Tudo o que sabemos sobre:
dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.