Apetite sustenta valorização de moedas de maior risco

Euro ganha impulso dos leilões de bônus e títulos de Espanha e Portugal, que foram considerados bem sucedidos

Danielle Chaves, da Agência Estado,

20 de abril de 2011 | 09h40

A melhora no sentimento dos investidores deu força às moedas de maior risco na manhã desta quarta-feira. O euro superou US$ 1,45, o dólar australiano atingiu o maior nível desde o começo da flutuação da moeda, em 1983, e o dólar canadense renovou a máxima dos últimos três anos diante do dólar norte-americano.

O euro foi sustentado pelos leilões de bônus e títulos de Espanha e Portugal, que foram considerados bem sucedidos. A moeda alcançou a máxima intraday de US$ 1,4548, o que não acontecia desde janeiro de 2010, e, às 9h30 (de Brasília), subia para US$ 1,4532, de US$ 1,4334 no fim da tarde de ontem.

Outro destaque foi a libra, que reverteu o movimento de alta após a divulgação da ata da última reunião do BOE. O tom da ata foi mais cauteloso, com os membros do comitê de política monetária se mostrando menos propensos a elevar as taxas de juros, e afirmando que não há sinais de que a inflação maior esteja gerando salários maiores. Os nove membros do comitê votaram da mesma forma que na reunião anterior - seis deles a favor da manutenção das taxas de juros e do programa de compra de ativos. Às 9h30, a libra se recuperava e subia para US$ 1,6394, de US$ 1,6317 ontem.

O dólar canadense também chamou atenção, ao renovar a máxima em três anos diante do dólar dos EUA ainda em consequência da divulgação, ontem, de que a inflação no Canadá está mais alta do que se esperava. "A inflação forte abre espaço para um aperto monetário no Canadá", comentaram estrategistas do Lloyd's TSB em Londres. Às 9h30, o dólar caía para cerca de 0,9514 dólar canadense, de 0,9566 dólar canadense ontem.

O dólar australiano também ganhou força sobre o dólar norte-americano. Em um comunicado, o governo da Austrália informou que pode introduzir um alívio fiscal sobre investimentos passivos de organismos soberanos, em uma tentativa de estimular os investimentos estrangeiros no país. Às 9h30, a moeda operava em cerca de US$ 1,0667, de US$ 1,0527 na tarde de ontem.

Enquanto isso, a coroa sueca avançou sobre o euro depois que o banco central do país elevou a taxa básica de juros pela sexta vez consecutiva. Às 9h30, o euro caía para cerca de 8,8984 coroas, de 8,9078 coroas antes do anúncio da decisão do banco central. No mesmo horário, o dólar avançava para 82,72 ienes, de 82,58 ienes ontem. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.