Aplicação no Tesouro Direto vai a R$ 1 bilhão

Desconhecido de grande parte dos investidores, o Tesouro Direto é uma das aplicações mais indicadas por consultores de finanças. ?A atratividade é a compra de títulos públicos federais diretamente do governo sem o pagamento das altas taxas cobradas por fundos de investimento?, diz o professor com PhD em matemática e consultor em finanças, Marcos Crivelaro. O recuo dos juros favorece a aplicação, que já atrai mais público. ?Aumentou a base de clientes e a queda do valor médio da aplicação de R$ 8,2 mil para R$ 7,2 mil indica que isso ocorre com a chegada de clientes de menor renda?, analisa o diretor de Operações do Banco Real, Marc Helder Olichon. Está aplicado no Tesouro Direto o volume de R$ 1,06 bilhão. São 71.613 pessoas físicas cadastradas. Em novembro, 30,16% das vendas tinham valor de até R$ 1 mil e 71,5%, até R$ 5 mil. Os títulos, negociados pelo site do Tesouro Direto, têm prazo longo e custos menores e são diversificados. Por isso, têm sido utilizados também para formação de poupança para a aposentadoria. Na sexta-feira, os prazos chegavam a maio de 2045. Títulos com prazo de 1 a 5 anos são os mais vendidos. Os papéis têm rendimento assim definido: Prefixado (Letra do Tesouro Nacional-LTN e Nota do Tesouro Nacional série F-NTN-F): indicadas para quem acredita em queda dos juros. Pós-fixado (Letra Financeira do Tesouro-LFT): corrigida pela taxa Selic e indicada para quem acredita em alta do juro. Indexado à inflação (Nota do Tesouro Nacional - NTN série B e Principal): atualizadas pelo IPCA e indicadas para quem quer garantir o poder de compra do dinheiro ). Hoje, a procura maior é por LTNs (prefixadas), porque elas ainda pagam bom preço diante da expectativa de baixa dos juros. No total aplicado, os prefixados correspondem a 40%, mas nas aplicações em novembro já respondiam por 54,55%. Quanto aos custos, enquanto nos fundos eles chegam a 4% ao ano, no Tesouro Direto as duas taxas - de custódia (0,40% ao ano) e de agente de custódia (variável) - não ultrapassam 0,90% ao ano em boa parte das instituições. ?Com os juros menores, o custo representado pelas taxas de administração passa a ser determinante na rentabilidade?, alerta o investidor Eduardo Barros Carbonel. Diferença André Siqueira, da Fator Corretora, onde a taxa do agente de custódia é de 0,25%, calcula a diferença: na aplicação de R$ 10 mil por 5 anos a juro anual prefixado de 12,78%, o resgate será de R$ 15 mil, de fundo com taxa de 4% ao ano, e de R$ 18 mil, do Tesouro Direto, com taxa total de 0,65% ao ano - uma diferença de R$ 3 mil. Passo a passo da aplicação Seu agente: entre no site do Tesouro Direto (www. tesourodireto.gov.br) e escolha seu agente de custódia (responsavél pelo seu cadastro e administrador da sua conta) na lista de corretoras e bancos. Cadastro: no site do agente, preencha o cadastro. Se a escolha for por uma instituição onde o investidor não tem conta corrente será necessário imprimir e enviar o cadastro assinado com cópias de documentos e comprovante de residência pelo correio Senha: o investidor receberá por e-mail a senha para operar Os papéis: entre no site https://seguro.cblc.com.br/tesourodireto/ e informe CPF e senha. Consulte os papéis disponíveis Compra: informe seu agente de custódia e faça a compra. Cada investidor pode comprar no mínimo 20% de um título, o que dá em média R$ 200,00, e no máximo R$ 400 mil por mês Pagamento: após a compra, é informado o total a ser pago (a aplicação mais a taxa de custódia - 0,40% ao ano - e a do agente de custódia pelo prazo do papel ou um ano, o que for menor) Acompanhamento: é possível acompanhar a evolução da aplicação pelo site Resgate: no vencimento, será pago o valor atualizado pelo juro e/ou o indexador, deduzidas as taxas devidas Imposto de Renda: a taxa é descontada na fonte pela alíquota de 22,5%, no resgate antes de 6 meses; 20%, de seis meses a um ano; de 17%, acima de um ano até dois anos; e de 15%, acima de dois anos Antecipação: o investidor pode resgatar o título antes do vencimento com rendimento pelo valor de mercado. Esse resgate é feito pelo site, em leilões de recompra realizados pelo Tesouro semanalmente todas as quartas-feiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.