Após abrir em queda de olho na Petrobrás, Bovespa passa a subir

Às 10h20 (horário de Brasília), o índice Bovespa (Ibovespa) subia 0,22%, aos 67.869,03 pontos

Olívia Bulla, da Agência Estado,

22 de setembro de 2010 | 10h14

Hoje é o último dia para os investidores solicitarem a reserva de novas ações que estão sendo ofertadas pela Petrobrás. Por isso, os negócios na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) devem continuar reféns da operação. Enquanto o preço dos papéis na oferta não é definido, prevalece a estratégia dos agentes de derrubar a cotação das ações no mercado à vista, para obter um prêmio maior diante do temor de diluição dos acionistas. Às 10h20 (horário de Brasília), o índice Bovespa (Ibovespa) subia 0,22%, aos 67.869,03 pontos.

O banco central norte-americano afirmou ontem que está preocupado com o fato de a deflação atingir os Estados Unidos e que está preparado para tomar novas medidas extraordinárias de estímulo econômico. Mas o fato de a autoridade monetária ter novamente postergado essa nova rodada de esforço deixou os investidores decepcionados, pois nada do que foi feito até agora foi capaz de fazer o país engatar uma retomada consistente da atividade. Isso inibe o apetite ao risco no exterior, depreciando o dólar.

Essa busca por proteção pode ser uma dose extra de pressão sobre a Petrobrás, no último dia para que os investidores que desejam participar da oferta de ações da estatal lancem suas ordens. Enquanto o preço da ação na operação não é definido - o que está previsto para ocorrer somente amanhã -, analistas acreditam que persiste a estratégia de derrubar o preço dos papéis da estatal na tentativa de obter um prêmio melhor na oferta pública.

Segundo operadores, esse tipo de estratégia traduz a incerteza que cerca a operação, em especial quanto à diluição dos minoritários, uma vez que a capitalização da Petrobrás contará com participação majoritária da União.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.