Após pacote grego, euro acentua perdas

Investidores ainda estão receosos diante da escassez de detalhes sobre um potencial auxílio dos países europeus à Grécia

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

11 de fevereiro de 2010 | 13h25

O euro acentuou as perdas em relação ao dólar e ao iene e as bolsas europeias também acentuaram levemente as perdas, diante da escassez de detalhes sobre um potencial auxílio dos países europeus à Grécia.

 

Após uma reunião com os líderes europeus em Bruxelas, o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, disse aos jornalistas que "os Estados-membros da zona do euro tomarão ações coordenadas caso seja necessário proteger a estabilidade financeira da zona do euro".

 

Os comentários da autoridade, no entanto, não foram suficientes para impedir o declínio do euro. Segundo o estrategista de câmbio Brian Kim, do UBS, a moeda europeia está caindo porque os investidores querem que os líderes europeus apresentem uma declaração específica sobre os problemas da Grécia e até agora nada surgiu nesse sentido. "As pessoas estão um pouco desapontadas com a falta de um plano até este momento", afirmou Kim.

 

Para o analista Carsten Brzeski, do ING Bank, o que houve até agora foi uma "ambiguidade construtiva" por parte da União Europeia, visto que os países do bloco lançaram uma rede de segurança ao redor da Grécia, mas não descreveram como ela funcionará. "Em termos de ações explícitas, nada foi decidido e nada foi descartado", avaliou.

 

Às 13h20 (de Brasília), o euro recuava para US$ 1,3653, de US$ 1,3734 na quarta-feira, com mínima intraday de US$ 1,3632. Em relação ao iene, a moeda europeia tinha queda para 122,55 ienes, de 123,56 ienes ontem, com mínima intraday de 122,30 ienes.

 

Entre as bolsas europeias, o índice FT-100 da Bolsa de Londres era a exceção e subia 0,27%. O CAC-40 da Bolsa de Paris caía 0,83% e o Dax-30 da Bolsa de Frankfurt perdia 0,93%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
euro, dólar, Grécia, câmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.