Após superar US$ 1,42 com esperança de rolagem da dívida da Grécia, euro oscila

Investidores receberam bem a notícia do fim de semana de que bancos franceses propuseram um plano para reinvestir metade dos recursos gerados pelos bônus do governo grego

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de junho de 2011 | 09h10

 O euro se recuperou nesta manhã à medida que cresceram as esperanças de um acordo para rolagem da dívida da Grécia. Durante a sessão asiática, a moeda havia caído para uma nova mínima histórica diante do franco suíço, a 1,1808 franco. Apesar da recuperação, a confiança dos investidores em uma solução para a Grécia continua frágil.

Operadores receberam bem a notícia do fim de semana de que bancos franceses propuseram um plano para reinvestir metade dos recursos gerados pelos bônus do governo da Grécia, quando eles vencerem, na compra de bônus de 30 anos emitidos pelo país. A atitude positiva com relação à participação do setor privado, uma questão particularmente difícil que tem freado o progresso em direção a uma solução para a crise grega, ajudou a empurrar o euro para acima de US$ 1,42.

"O mercado está tendo conforto com a notícia dos bancos, mas indicadores de risco ainda estão dando sinais negativos e nós vemos qualquer recuperação no euro como uma oportunidade de venda", alertou Ian Stannard, estrategista do Morgan Stanley em Londres.

Um fator que ainda gera incertezas é a votação do Parlamento da Grécia sobre o plano de austeridade do governo, prevista para a quarta-feira. Embora um resultado positivo possa dar suporte para a moeda no curto prazo, analistas alertam que a crise de dívida continuará longe de ser resolvida.

Após subir, na máxima, a US$ 1,4238, às 10h04 (de Brasília), o euro oscilava para US$ 1,4183, de US$ 1,4192 no fim da tarde de sexta-feira, e para 114,64 ienes, de 114,12 ienes. O dólar avançava para 80,84 ienes, de 80,43 ienes na sexta-feira, e para 0,8342 franco suíço, de 0,8328 franco suíço. A libra operava a US$ 1,5979, de US$ 1,5967. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.