Apreensão com terrorismo afeta Bovespa, que cai 0,77%

A Bolsa de Valores de São Paulo abriu em forte queda hoje, que chegou a -0,77% nos primeiros minutos de pregão. O mercado financeiro amanheceu nervoso com novas ameaças de terrorismo. As bolsas européias operam em queda superior a 1%, pressionados pela notícia de que a polícia britânica descobriu um plano de explodir, em pleno vôo, aviões que decolariam do Reino Unido para os EUA. O mercado vai acompanhar hoje os desdobramentos da ameaça de terrorismo no Reino Unido. O receio é de que os terroristas tenham um plano B. Ontem, um dia após o banco central americano ter mantido a taxa de juro básica inalterada em 5,25% ao ano, o pregão na Bovespa voltou a ser marcado pela volatilidade, refletindo o desconforto dos investidores com o comunicado do Fed, que deixou espaço para subir o juro novamente. A dúvida dos investidores é quanto ao ritmo de desaceleração da atividade econômica nos EUA. Na Bovespa, os analistas grafistas observam que com a queda de 0,92% ontem, o Ibovespa à vista perdeu a linha de suporte dos 37.500 pontos e pode cair mais um pouco nesta quinta-feira, mas sem comprometer a tendência de alta gradual. No pregão de hoje, as ações de Unibanco, Usiminas e Eletropaulo devem ganhar destaque por causa dos respectivos balanços. O Unibanco lucrou no segundo trimestre do ano R$ 548 milhões, 21% mais do que o registrado em igual período do ano anterior. A rentabilidade sobre o patrimônio ficou em 24,7%. Já a Usiminas teve lucro líquido de R$ 704,049 milhões no segundo trimestre, volume 13% menor no comparativo com igual período do ano passado. A AES Eletropaulo surpreendeu positivamente ao registrar lucro líquido de R$ 201,9 milhões no segundo trimestre, um aumento de 47,7% sobre igual período de 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.