Arcelor aceita fusão e Mittal Steel vira gigante do aço

Ao final de uma dura batalha que durou quase cinco meses, o grupo siderúrgico europeu Arcelor aceitou finalmente a oferta de compra feita pela Mittal Steel, líder mundial na produção de aço. A oferta final da Mittal foi melhorada em 10%. Essa fusão, uma vez efetivada, criará um gigante mundial do aço, com uma produção de cerca de 110 milhões de toneladas por ano, mais que o triplo da produção da agora segunda colocada no ranking, a Nippon Steel.A receita combinada das duas empresas supera os US$ 60 bilhões, e elas empregam em todo o mundo quase 330 mil pessoas. No Brasil, a Arcelor controla as siderúrgicas CST, Belgo-Mineira e Vega do Sul. A oferta aceitada no domingo pela direção da Arcelor é de 25,8 bilhões de euros, ou 40,40 por ação da Arcelor. É uma proposta muito superior à primeira oferta, apresentada pela Mittal em 27 de janeiro: 18,6 bilhões de euros, ou 28,21 por ação da Arcelor.O novo grupo a ser formado com a fusão deve se chamar Arcelor Mittal, anunciou hoje o presidente do conselho de administração da Arcelor, Joseph Kinsch. "A sede e o centro de decisão do grupo vão ficar em Luxemburgo", assegurou, por sua vez, o ministro da Economia de Luxemburgo, Jeannot Krecké.Segundo as primeiras informações disponíveis, a Mittal aceitou as cessões de ativos considerados pela Arcelor como pouco produtivos, especialmente os localizados nos Estados Unidos. Também aceitou a imposição do limite de 45% de participação na nova sociedade. A princípio, a empresa do indiano Lakshmi Mittal queria ficar com o controle. É possível que o novo grupo Arcelor Mittal mantenha nos cargos o diretor-executivo da Arcelor, Guy Dollé, e o presidente do conselho de administração, Joseph Kinsch. Lakshmi Mittal ocuparia a vice-presidência do conselho, mas sem funções executivas.A Arcelor deu realmente um giro de 180 graus em sua estratégia, depois de ter se esforçado durante meses para evitar a ofensiva da empresa que considerava sua maior rival. Para fazer frente à proposta da Mittal, a Arcelor propôs no fim de maio uma fusão com o grupo russo Severstal, controlado pelo bilionário Alexei Mordashov. A proposta, porém, revelou-se um erro estratégico, já que não previa a rejeição que poderia provocar entre os acionistas e os próprios executivos da empresa. Essa negativa acabou obrigando a direção da Arcelor a mudar sua posição e começar a negociar com o grupo Mittal.A Arcelor emprega cerca de 96 mil pessoas em todo o mundo, enquanto a Mittal conta com cerca de 225 mil empregados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.