Arcelor-Mittal planeja complexo de 12 mi de toneladas/ano na Índia

A Arcelor-Mittal pretende construir um complexo siderúrgico com capacidade de produção de 12 milhões de toneladas ao ano no estado de Orissa, leste da Índia, afirmou o presidente do grupo, Lakshmi Mittal."Estamos interessados em estabelecer uma usina com capacidade de 12 milhões de toneladas (por ano) em duas fases, de 6 milhões de toneladas cada, em Orissa", declarou o executivo depois de encontro com o ministro chefe do estado de Orissa, Naveen Patnaik. Segundo Mittal, o complexo exigirá investimento de 300 bilhões de rupias (US$ 6,5 bilhões) a 400 bilhões de rupias (US$ 8,7 bilhões).Representantes da Arcelor-Mittal (que se tornará o maior grupo siderúrgico do mundo quando a fusão receber a aprovação final) e do governo de Orissa agora vão discutir os detalhes do projeto proposto. "Esperamos assinar um memorando de entendimento com o governo de Orissa em um futuro próximo", disse Mittal.No ano passado, a Mittal Steel assinou memorando de entendimento para construção de um complexo siderúrgico de 12 milhões de toneladas de aço no estado indiano de Jharkhand, com investimento estimado em 400 bilhões de rupias. No entanto, o projeto não tem apresentado progressos."Não queremos adiar nosso estabelecimento na Índia. Não estou muito feliz com os progressos em Jharkhand, apesar de toda a cooperação do governo. Teremos de ver onde podemos nos movimentar mais rápido e nos aproximar do governo de Orissa para encaminharmos esse projeto primeiro", disse Mittal. O executivo não revelou se o sucesso nas negociações para o projeto de Orissa resultariam no abandono dos planos para Jharkhand.Mittal, que nasceu na Índia mas atualmente mora na Holanda, disse que a Arcelor-Mittal está em busca de oportunidades na Índia e China para crescimento. "Temos a liderança em várias partes do mundo e agora estamos nos concentrando na Índia e China para crescimento. A Índia é um marco muito importante para nossa permanência como maior produtora de aço do mundo", acrescentou o executivo. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.