Arcelor Mittal poderá contestar decisão da CVM

A Arcelor Mittal afirmou que no momento estuda se deve contestar a recente decisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) envolvendo o preço de compra das ações de minoritários da Arcelor Brasil. A comissão determinou que a empresa terá de elevar sua oferta original de R$ 32,00, lançada em outubro, para R$ 49,00 por ação."Esse foi o parecer final da CVM, mas se houver erros em seus cálculos poderemos voltar atrás e contestar a decisão na justiça", disse o diretor financeiro da companhia, Aditya Mittal. A siderúrgica tem até 8 de abril para responder ao órgão regulador.Entre outros assuntos, o executivo confirmou que a fusão entre a Arcelor e a Mittal deve ser concluída em julho, acrescentando que o grupo combinado deve apresentar sinergias de US$ 1,6 bilhão por ano.Segundo o presidente e executivo-chefe da maior siderúrgica do mundo, Lakshmi Mittal, as discussões com as autoridades reguladoras chinesas sobre a compra de participação majoritária na Laiwu Steel Corp. estão em andamento. "Estamos otimistas sobre a questão. Acredito que o governo chinês deve nos aceitar como parceiro global", afirmou.Aditya Mittal observou, porém, que se o negócio for aprovado, o preço da aquisição talvez tenha de ser renegociado. Se as autoridades chinesas aprovarem a venda, a companhia disse que irá manter a Laiwu separada das outras operações que possui no país, caso da Hunan Valin Steel Tube & Wire. "Não temos intenção de fundir a Laiwu com a Hunan - que estão localizadas em estados diferentes e são dois segmentos diferentes de negócios", afirmou Lakshmi. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.