Arcelor ON abre em queda de 7,80%, a R$ 36,65, após leilão

As ações da Arcelor Brasil, suspensas por duas horas no pregão de hoje na Bolsa de Valores de São Paulo, apresentam queda de 7,80%, para R$ 36,65, após leilão. Os papéis já negociam R$ 17 milhões. Hoje, a Arcelor Mittal informou que fará a oferta pública para as ações (OPA) da empresa em circulação no mercado, atendendo exigência da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), divulgada no final de outubro. A Bolsa suspendeu os negócios, que só reabriram depois que a empresa divulgou a tradução do documento divulgado no exterior. Pela proposta, o valor a ser ofertado por ação da Arcelor Brasil será de 12,1184 euros (R$ 32,70). Este valor está abaixo do esperado pelo mercado desde que a CVM divulgou a obrigatoriedade da OPA. Em uma conta livre, o mercado apontava R$ 45,00 por papel, a partir de uma análise simples de múltiplos EV Ebitda pagos na fusão Arcelor Mittal. De acordo com os operadores, o máximo que o mercado consideraria razoável seria um desconto de 10%, cerca de R$ 40,00. Conforme a Arcelor Mittal, os acionistas poderão escolher pelo pagamento em dinheiro ou por uma combinação de dinheiro (30,4%) e ações Ordinárias Classe A da Arcelor Mittal (69,6%). Também em uma conta livre, realizada por players esta manhã, esta opção estaria mais perto dos R$ 45,00 esperados pelo mercado. Neste momento, a companhia promove teleconferência sobre a OPA. Operadores observam que a ação será, agora, negociada com um piso, perto dos R$ 32,70, e sem nenhuma perspectiva de alta. Analistas afirmam ainda que, em outubro, as ações da Arcelor Brasil têm registrado performance abaixo de outras do mesmo setor listadas na Bovespa. Arcelor ON, até ontem, subia 3,5%, enquanto CSN + 9%; Gerdau + 10% e Usiminas PNA + 13%. O desempenho inferior já era atribuído às incertezas em relação à OPA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.