Arcelor rejeita proposta da Mittal Steel

A comissão executiva da Arcelor rejeitou, por unanimidade, a oferta hostil de compra de US$ 23 bilhões apresentada pela Mittal Steel. Após reunião extraordinária neste domingo, executivos da Arcelor abandonaram o silêncio: manifestaram preocupação com as conseqüências negativas para a empresa após a proposta apresentada na sexta-feira e fizeram acusações sobre os reais interesses da rival.Um plano de defesa será apresentado pela companhia amanhã. "Após detalhada análise das características da oferta, concluímos rapidamente que Arcelor e Mittal Steel não compartilham dos mesmos valores, visão estratégica e modelo de negócio. Recomendamos a nossos acionistas que, da mesma maneira, rejeitem a oferta quando e se ela lhes for apresentada", diz o pequeno comunicado divulgado à imprensa ao término do encontro."Gostaríamos de expressar nossas preocupações com as severas e negativas conseqüências que a oferta hostil colocada pela Mittal poderá ter para grupo Arcelor, seus acionistas, empregados, e clientes", conclui o texto. As ações da Arcelor e das siderúrgicas dispararam nas bolsas pelo mundo, com o mercado ajustando o preço dos papéis ao valor ofertado pela Mittal, 27% superior ao registrado pela Arcelor na Euronext de Paris, na quinta-feira.A comissão executiva da Arcelor informou que solicitou aos administradores da empresa que apresentem "todas as medidas e opções" no sentido de atender da melhor forma aos interesses dos acionistas da companhia. Amanhã, durante coletiva de imprensa em Paris, às 10 horas (de Brasília), a Arcelor deverá divulgar seu plano de defesa à oferta hostil. A comissão executiva diz acreditar que a continuidade da estratégia atual da Arcelor garantirá maior criação de valor aos detentores de papéis da empresa.Ao final da reunião, o representante da comissão executiva da Arcelor, John Castegnaro, fez acusações à Mittal Steel, por conta do caráter hostil da proposta, sem consulta prévia à Arcelor. Segundo ele, a Mittal deseja se apoderar de recursos financeiros da Arcelor para financiar o fechamento de fábricas obsoletas que possui. "Muitas unidades da Mittal precisam ser reestruturadas e modificadas. Eles precisam de dinheiro para esta remodelagem e desejam que esses recursos venham da Arcelor", afirmou Castegnaro.O executivo ressaltou que a Arcelor é lucrativa e poderá continuar caminhando sozinha. Antes do encontro começar, Castegnaro já sinalizara que a oferta seria rejeitada. O governo de Luxemburgo, país onde está localizada a sede da empresa, em nota, manifestou preocupação com a oferta, por conta de sua natureza hostil.A Arcelor foi criada em 2002 após a fusão de siderúrgicas da Espanha, França e Luxemburgo. Ao mesmo tempo em que a comissão executiva da Arcelor divulgava a rejeição à oferta, o ministro das Finanças da França, Thierry Breton, demonstrava preocupação e surpresa com a proposta, em entrevista a uma rádio francesa.Ele afirmou que se reunirá amanhã com o presidente da Mittal Steel, Lakshmi Mittal, para " saber mais" sobre as intenções do grupo. "Pelo que sei até o momento, não me parece que este negócio será favorável aos interesses da Arcelor", afirmou Breton. (Com informações da Dow Jones)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.