Arcelor tem que provar que não manipulará lei para fusão com Severstal

A autoridade de regulação de mercado financeiro de Luxemburgo afirmou, hoje, que a Arcelor deve provar que não tem feito concessões ilegais para a planejada fusão com a russa Severstal. Em nota classificada de "medida excepcional", o regulador lista sete demandas que devem ser esclarecidas para que se dissipem as suspeitas de que Arcelor manipularia a nova lei de aquisições européia.Pelo plano de fusão com a Severstal, a Arcelor comprará cerca de 90% da companhia russa do oligarca Alexei Mordashov (inclusive outras minas e ativos que pertencem ao russo). Já o empresário ficaria com 32% da Arcelor.Luxemburgo disse que a Arcelor deve provar a lógica para a fusão com a Severstal e, mais que isso, demonstrar que pode financiar uma recompra de ações, anunciada no início deste ano, de 3 bilhões de euros (US$ 3,85 bilhões) sem para isso valer-se do dinheiro de Mordashov.O magnata russo pagará 40,00 euros (US$ 51,27) por ação pela sua participação na Arcelor, preço superior ao que a Mittal ofereceu para ficar com 100% da empresa. No mês passado, a Mittal elevou sua oferta para 37,74 euros (US$ 48,38) por ação. A siderúrgica de origem indiana precisa que sua proposta seja aceita por mais de 50% dos acionistas da Arcelor para impedir a fusão desta última com a companhia russa.Roeland Baan, executivo da Mittal para a Europa, afirmou que sua empresa não tem nenhum plano de elevar a oferta pela Arcelor. Baan classificou de "falsificação" o cálculo da fusão em dinheiro e ações entre a Arcelor e a Severtal, porque os números teriam por base "um exagero" do valor de mercado da companhia russa. Se levado em conta um cálculo que estima o valor da Severstal em 9 bilhões de euros, e não em 14 bilhões de euros, Mordashov pagará apenas 33 euros por ação da Arcelor, disse Baan.A Mittal continua convencida de que, em 5 de julho, comprará os papéis de mais da metade dos acionistas da Arcelor. E ainda que isso não aconteça, disse Baan, a Mittal pode decidir ficar com participação minoritária. "Não tomaremos uma decisão até que o momento chegue." As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.