Argélia pede para Opep cortar produção de petróleo

O ministro do Petróleo da Argélia, Youcef Yousfi, pediu à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para cortar a produção e elevar o preço da commodity, que tem recuado dramaticamente nos últimos seis meses. O pedido ocorre em um momento no qual o país está enfrentando dificuldades para lidar com a queda pela metade do preço do petróleo, de US$ 120 o barril para US$ 60 o barril.

Estadão Conteúdo

28 Dezembro 2014 | 13h46

"Para nós, a Opep precisar intervir para corrigir o desequilíbrio e cortar a produção com o objetivo de elevar os preços e defender a retorno com a commodity de seus países-membros", afirmou Yousfi em comentário divulgados pela agência de notícias estatal.

Embora tenha cerca de US$ 200 bilhões em reservas internacionais, o suficiente para cobrir as importações pelos próximos anos, a Argélia é muito dependente da receita proveniente do petróleo, que corresponde a 97% de sua renda cambial bruta e 60% de seu orçamento.

Em uma reunião de gabinete, na última terça-feira, o presidente da Argélia, Abdelaziz Bouteflika, expressou pela primeira vez preocupação sobre a situação e fez promessas vagas de redução de custos.

A primeira dessas medidas de austeridade foi anunciada, ontem, quando o primeiro-ministro Abdelmalek Sellal disse que haveria um congelamento na contratação do setor público em 2015. Cerca de 60% dos empregos no país trabalham para o governo. Estima-se também que grandes projetos de infraestrutura, como transporte público em Argel e rodovias no interior do país, sejam suspensos. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
ArgéliaOpepProdução

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.