Artigo: A importância da disciplina para investir

Um momento decisivo para o sucesso da sua carteira de investimentos é quando você decide investir no mercado de capitais. Nessa hora, é preciso ter bem claro quais são os seus objetivos e saber que será necessária uma forte disciplina para alcançá-los. Ao tomar a decisão de investir, você precisa responder para si mesmo algumas questões como: em que tipo de ativos eu quero investir? Quanto eu vou investir em cada um desses ativos? Por quanto tempo? Eu vou escolher os momentos de entrar e sair de cada ativo ou vou acompanhar o mercado?Estabelecer metas de médio e longo prazos significa controlar riscos e é o mais importante para se obter o retorno desejado a longo prazo. A isso chama-se política de alocação de recursos. É o conjunto de fatores que vão formar o processo consolidado da divisão dos recursos entre cada ativo e/ou cada classe de ativo, determinando, inclusive, gestão ativa ou passiva de portfólio, forma e freqüência de rebalanceamento, além da utilização ou não de market timing.Esta definição deve se dar logo no início do processo de investimento. É um fator que afeta sobremaneira o comportamento de uma carteira, pois a capacidade de identificar a combinação mais apropriada de ativos certamente aumentará os rendimentos a médio e longo prazos sem aumentar o risco, ou diminuirá o risco sem sacrificar os rendimentos.Os conceitos ligados à diversificação de portfólio e as técnicas necessárias para colocá-la em prática tem suas raízes nos estudos de Harry Markowitz, premiado em 1990 com o Prêmio Nobel de Economia.É sabido, contudo, que um mesmo padrão de distribuição de ativos não é necessariamente o melhor para qualquer investidor. A escolha mais apropriada depende de fatores como o horizonte de investimentos, o montante disponível para investimento, a idade do investidor, a necessidade de saques e ingressos, o nível de agressividade ou de aversão a risco. Ou seja, cada investidor tem de enfrentar o desafio de fazer o balanço que lhe seja mais confortável entre potenciais ganhos e potenciais perdas, entre rentabilidade e risco. Segundo alguns operadores, pode-se dividir as diversas políticas de asset allocation mais comumente utilizadas na gestão de recursos em basicamente em três tipos: alocação estratégica; alocação tática e alocação dinâmica. A alocação estratégica tem como objetivo primário ser uma política dirigida para prazos mais longos, ao contrário das outras duas, tipicamente mais de curto prazo. O perfil de cada investidor vai determinar qual política utilizar.Portanto, é preciso ter claro quais são os objetivos financeiros finais do investidor, pois uma má combinação entre a alocação de ativos, a qualidade das previsões econômicas e os demais fatores citados, tende, na prática, a ser muito prejudicial. As classes de diferentes ativos se apresentam com níveis variados de risco, bem como de expectativas de retornos. O objetivo final é combinar todos estes fatores a fim de determinar um mix ideal para o seu portfólio.___________________Escrito por João Chacha, gerente de operações estruturadas do BankBoston

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.