Ata do Fed ajuda e bolsa de NY fecha quase estável

A Bolsa de Nova York encerrou perto da estabilidade nesta quarta-feira, mas bem acima das mínimas da sessão, após a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve, que reacendeu as expectativas de uma nova rodada de estímulos à economia norte-americana.

ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

22 de agosto de 2012 | 18h17

O índice Dow Jones caiu 30,82 pontos (0,23%), fechando a 13.172,76 pontos. Já o Nasdaq ganhou 6,41 pontos (0,21%), terminando a 3.073,67 pontos. E o S&P 500 teve leve alta de 0,32 ponto (0,02%), finalizando a 1.413,49 pontos.

Neste pregão, o Dow Jones tocou a mínima de 13.120,34 pontos, mas reduziu as perdas após a ata da reunião de agosto do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês). No texto, o banco central afirma que "muitos membros julgaram que uma acomodação monetária adicional provavelmente será justificável muito em breve, a não ser que as informações a serem divulgadas apontem para um fortalecimento substancial e sustentável no ritmo da recuperação econômica".

Agora, as atenções se voltam para o discurso que o presidente do Fed, Ben Bernanke, fará na conferência anual de Jackson Hole, no fim deste mês. De qualquer forma, a ata da reunião fez o ouro subir e o dólar cair, o que indica que os investidores estão precificando uma terceira rodada de relaxamento quantitativo (QE3, na sigla em inglês).

Na agenda de indicadores econômicos dos Estados Unidos, a Associação Nacional dos Corretores de Imóveis divulgou que as vendas de moradias usadas subiram 2,3% em julho, após registrar uma queda inesperada no mês anterior, em mais um sinal de que o setor imobiliário começa a se recuperar.

Na Europa, o dia foi dominado pelo noticiário sobre a Grécia. O primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, encontrou-se com o presidente do grupo de ministros de Finanças da zona do euro (Eurogrupo), Jean-Claude Juncker, e prometeu acelerar as reformas e impulsionar as privatizações, além de afirmar que vai cumprir todas as metas combinadas com os credores internacionais.

Entre os componentes do S&P 500, as ações de empresas industriais e de telecomunicações lideraram as quedas (Caterpillar -1,74%, Boeing -0,64%, Sprint Nextel -3,94% e Verizon -0,63%). Já a Hewllet-Packard recuou 3,66%, antes da divulgação do seu balanço trimestral, reportado após o fechamento do mercado. A empresa teve prejuízo de US$ 8,86 bilhões no trimestre encerrado em julho. As ações da Dell, que tinha divulgado seu resultado na véspera, perderam 5,35%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasNova Yorkfechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.