Ativos da Minerva serão vendidos para finalizar fusão

A BRF, empresa criada a partir da fusão entre Sadia e Perdigão, afirmou em comunicado ao mercado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que, para concluir a entrada no capital da Minerva, esta deverá vender ativos na área de alimentos processados. "As partes comprometeram-se a oferecer uma solução estrutural envolvendo ativos de produção de alimentos processados da Minerva, de modo a eliminar as preocupações concorrenciais identificadas."

NIVALDO SOUZA, Estadão Conteúdo

21 de agosto de 2014 | 20h18

O comunicado corrobora a decisão publicada nesta quarta-feira, 20, pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) ao aprovar, com restrições, o acordo para que a BRF assuma uma participação de 16,77% na Minerva, anunciada em novembro de 2013. O tribunal administrativo decidiu ontem pela alienação de ativos para evitar concentração de mercado pela BRF. "O Tribunal do Cade determinou que as empresas alienem ativos de modo que a operação não resulte em aumento de participação de mercado da BRF na produção de alimentos processados", disse o órgão em nota.

A restrição foi imposta pelo Cade, após identificar a existência da empresa MDF (Minerva Dawn Farms) como subsidiária da Minerva. A empresa fabrica alimentos processados. A BRF não pode ampliar sua capacidade de produção nessa área, segundo o Cade, o que inclui segmento de quibes e almôndegas; processados de frango; frios saudáveis, como peito de peru e blanquet; e bacon. A proibição é parte do acordo firmado para aprovação da fusão Sadia-Perdigão.

Tudo o que sabemos sobre:
BRFMinerva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.