Avaliação do BoJ estimula alta em Tóquio

 O índice Nikkei encerrou o pregão em alta de 0,4%,  após queda de 0,4% na sessão anterior

11 de julho de 2013 | 04h40

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em terreno positivo nesta quinta-feira, após a decisão de política monetária do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês). O índice Nikkei encerrou o pregão em alta de 0,4%, aos 14472,58 pontos, após queda de 0,4 na sessão anterior.

Os níveis de participação foram relativamente baixos, totalizando 2,78 bilhões de ações sob o valor de pouco mais de 2,2 trilhões de ienes.

Os principais índices caíram logo na abertura depois da queda do dólar na quarta-feira em reação ao discurso do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke. A autoridade disse que o Fed precisa manter uma política monetária de estímulo em vigor, dado o baixo nível de inflação e dúvidas sobre a taxa de desemprego.

"A maioria dos sinais que tinha sido telegrafada para os mercados havia indicado que qualquer redução gradual do programa de relaxamento do Fed iria começar mais cedo, em vez de mais tarde", disse o gerente geral de ações Hiroichi Nishi, da SMBC Nikko Securities.

O anúncio do Banco do Japão, no intervalo da sessão, de que vai manter a política monetária não produziu uma reação imediata de alta no mercado de ações. Mas a elevação da avaliação da economia, no qual o BoJ disse que o país está começando a se recuperar moderadamente, foi recebida de maneira um pouco mais calorosa.

Segundo o CEO da Investrust, Hiroyuki Fukunaga, a compra controlada de contratos futuros de setembro e opções de julho do Nikkei - pouco antes do vencimento deste último item na sexta-feira - também foram fatores que deram ânimo no mercado.

"Tecnicamente, o Nikkei está tendo problemas tanto para superar o nível de 14.500 pontos quanto para recuar abaixo dos 14.250 pontos. Quando este conjunto de opções for rolado, o mercado será capaz de se concentrar nos resultados" de ganhos corporativos, disse ele. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.